Ueslei Marcelino/Reuters
Ueslei Marcelino/Reuters

JBS tem prejuízo de R$ 911 milhões no segundo trimestre de 2018

JBS reverteu o lucro de R$ 309,8 milhões registrado no segundo trimestre de 2017; impacto cambial pesou no resultado

Nayara Figueiredo, O Estado de S.Paulo

14 Agosto 2018 | 23h06

A JBS reverteu o lucro de R$ 309,8 milhões registrado no segundo trimestre de 2017 em prejuízo de R$ 911,1 milhões em igual período deste ano, informou a companhia nesta terça-feira, 14. Sem impacto cambial, o lucro ajustado da JBS teria somado R$ 2,998 bilhões no trimestre. O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado ficou em R$ 4,237 bilhões, alta de 12,8% em relação aos R$ 3,757 bilhões obtido no segundo trimestre do ano passado.

A receita líquida da JBS atingiu R$ 45,175 bilhões, aumento de 8,4% na comparação anual. No resultado financeiro líquido, a JBS teve uma despesa financeira de R$ 4,718 bilhões, 113,4% maior que o montante de R$ 2,210 bilhões registrado no segundo trimestre de 2017. Segundo a companhia, o resultado das variações cambiais ativas e passivas correspondeu a uma despesa de R$ 3,909 bilhões, enquanto que o ajuste a valor justo de derivativos foi positivo em apenas R$ 151,0 milhões.

Greve dos caminhoneiros impactou resultado da JBS

A greve dos caminhoneiros causou uma perda de R$ 112,9 milhões no resultado do segundo trimestre de 2018 para a Seara, "apesar dos esforços em toda a cadeia para minimizar os impactos operacionais", informou a JBS em comunicado para divulgação do balanço financeiro. A paralisação no transporte de cargas ocorrida entre o fim de maio e o início de junho causou descartes e menor produtividade do plantel de animais, bem como aumento dos custos industriais e logísticos para a Seara.

Com isso, a receita líquida da Seara atingiu R$ 4,088 bilhões no segundo trimestre deste ano, volume 5,4% inferior à registrada em igual período de 2017. O volume total comercializado apresentou uma redução de 10,6%, decorrente de um menor volume de exportações (19,2%), devido principalmente à greve dos caminhoneiros, que reduziu os embarques, e também pelo fechamento do mercado russo para a carne suína brasileira, informou a JBS em nota.

Neste contexto, o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado da Seara ficou em R$ 226,7 milhões no segundo trimestre, uma margem de 5,5%, comparado a R$ 356,1 milhões reportado um ano antes, com margem de 8,2%.

No mercado interno, o volume foi menos afetado pela greve e apresentou uma pequena redução de 1,7%. No segmento de processados, houve uma queda de 2,4% no preço médio de vendas, devido ao mix de produtos comercializados como reflexo da greve. Na venda de frango in natura houve uma redução de 4,3% no preço médio decorrente da maior oferta do produto e também da redução das exportações. Já no mercado externo, o preço médio de vendas foi 12,6% superior ao praticado no segundo trimestre de 2017.

"O resultado do 2T18 foi também fortemente prejudicado pelo aumento dos custos do milho e do farelo de soja. O repasse aos preços de venda no período foi parcial e ocorreu de forma mais intensa a partir de junho. Por outro lado, a taxa média de câmbio 12,5% superior a do segundo trimestre de 2017 contribuiu para minimizar os impactos dos custos mais elevados. A expectativa é de que o preço do milho continue em patamares elevados, principalmente em função da menor safra brasileira, indicando assim uma necessidade de novos ajustes nos preços de venda", explica a JBS.

Empresa reduziu alavancagem

Apesar dos prejuízos com a greve dos caminhoneiros e redução nas exportações da Seara, a JBS conseguiu encerrar o segundo trimestre de 2018 com R$ 13,112 bilhões em caixa e a alavancagem - medida pela relação entre dívida líquida e Ebitda - caiu de 4,16 vezes no segundo trimestre do ano passado para 3,47 no trimestre encerrado em junho, nos cálculos feitos em reais. Em dólar, o recuo foi de 4,07 vezes para 2,98 vezes. A dívida líquida ficou praticamente estável, em R$ 50,450 bilhões.

"A porcentagem da dívida de Curto Prazo (CP) em relação à dívida total reduziu de 30% no segundo trimestre de 2017 para 7% em igual período deste ano, decorrente do acordo de normalização firmado entre a JBS e bancos, bem como ao pagamento de dívida", diz a companhia. Adicionalmente, a JBS USA possui US$ 1,856 bilhão disponível em linhas de crédito rotativas e garantidas, equivalentes a R$ 7,158 bilhões ao câmbio de fechamento do trimestre e conferindo à JBS uma liquidez total de R$ 20,27 bilhões.

Mais conteúdo sobre:
JBS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.