Juiz de Nova York manda soltar Strauss-Khan

Após pagar fiança de US$ 1 milhão, ex-diretor gerente do FMI ficará em prisão domiciliar em Manhattan

Reuters,

20 de maio de 2011 | 17h11

Um juiz de Nova York determinou nesta sexta-feira, 20, que o ex-chefe do FMI Dominique Strauss-Khan seja solto e posto por um período indeterminado em prisão domiciliar em Manhattan, vigiado por guardas armados.  

No entanto, promotores disseram ao juiz da Suprema Corte de Nova York Michael Obus que uma localidade inicial para Strauss-Kahn cumprir prisão domiciliar não estava mais disponível. Strauss-Kahn é acusado de tentar estuprar uma camareira de um hotel de NY.

 

Strauss-Kahn nega acusações de abuso sexual e tentativa de estupro (Foto: Richard Drew/AP)

Mais cedo nesta sexta-feira, advogados de Strauss-Kahn pagaram fiança de US$ 1 milhão em dinheiro e deram garantias de US$ 5 milhões. O ex-diretor-gerente do FMI, que passou as últimas quatro noites na prisão Rikers Island, em Nova York, nega as acusações de abuso sexual e tentativa de estupro, entre outras, relacionadas ao incidente com a camareira.

(Reportagem de Basil Katz)

Tudo o que sabemos sobre:
FMIprisãoStrauss-Kahnacusação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.