Juro na China pode subir no início de fevereiro,diz jornal

Segundo publicação estatal, o índice de preços ao consumidor do país pode ultrapassar os 6% em parte do primeiro semestre

Danielle Chaves, da Agência Estado,

21 de janeiro de 2011 | 07h46

O primeiro aumento da taxa de juros da China no ano pode ocorrer por volta do feriado do Ano Novo Lunar, no início de fevereiro, e Pequim vai continuar a elevar a taxa de depósito compulsório dos bancos, disse o estatal China Securities Journal, num editorial publicado na edição desta sexta-feira, 20. O comentário contribuiu para a queda das bolsas de valores em toda a Ásia.

O jornal disse que a China enfrenta forte pressão inflacionária e que o índice de preços ao consumidor pode ultrapassar os 6% em parte do primeiro semestre. Pequim também vai deixar que o yuan se valorize para ajudar a reduzir os preços dos produtos importados, disse a publicação.

O China Securities Journal acrescentou, porém, que a China precisa adotar medidas diversificadas para conter a inflação, uma vez que a alta dos preços é puxada principalmente pela elevação dos custos e não pelo fortalecimento da demanda.

Além das ferramentas de política monetária, observou o jornal, a China poderia aumentar a oferta de produtos por meio do lançamento de cortes estruturais nos impostos e políticas para elevar os salários, direcionando recursos excedentes para a economia real e as empresas privadas.

Política de crédito

Autoridades do Banco do Povo da China (PBOC, banco central do país) prometeram ser inovadores quando estabelecerem a política de crédito chinesa, segundo a edição desta sexta do jornal estatal People's Daily. A informação reforçou as expectativas de que o PBOC vai introduzir novas ferramentas de política monetária neste ano.

Liu Shiyu, vice-presidente do banco central, disse que a inovação é a maior prioridade para a política de crédito, de acordo com o jornal, que não forneceu maiores detalhes sobre a declaração.

Liu fez a afirmação durante uma reunião sobre o desenvolvimento do mercado financeiro da China. Na reunião foi decidido que o PBOC vai continuar tomando medidas práticas neste ano para direcionar mais crédito para a economia real, informou o jornal.

O People's Daily também citou Guo Qingping, assistente do PBOC, que teria afirmado que o banco central vai melhorar a forma como administra a política de crédito, ampliar as ferramentas da política de crédito e aperfeiçoar a eficiência da política.

Os comentários de Liu foram feitos depois de, recentemente, o PBOC introduzir taxas de reserva diferenciadas para administrar a expansão do crédito dos bancos individuais. As informações são da Dow Jones.

(Texto atualizado às 8h48)

Tudo o que sabemos sobre:
Chinajuroinflação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.