Juro real pode ter caído 5 pp desde 2006, diz economista

Naquele ano, especialistas calculam que o juro real estava em 11,40% ao ano

Ricardo Leopoldo, da Agência Estado,

30 de setembro de 2010 | 12h46

Pode ser que a taxa de juro real de equilíbrio tenha caído pouco mais de cinco pontos porcentuais do início de 2006 para cá, avaliou o professor da PUC-RJ e economista da Opus Gestão de Recursos, José Márcio Camargo.

Ao ler o box "Taxa de Juros Real de Equilíbrio" do Relatório de Inflação divulgado hoje pelo Banco Central, chamou sua atenção os dois gráficos da página 98. No primeiro gráfico, é exposta a evolução da taxa real do swap pré de 360 dias do início de 2006 até a atualidade. "Nesse período, ocorreu uma queda de cinco pontos porcentuais dessa taxa, que é deflacionada pela expectativa de inflação 12 meses a frente", explicou.

De acordo com cálculos do economista-chefe da LCA, Braulio Borges, no dia 2 de janeiro de 2006, a taxa de juro real medida pelo critério ex-ante estava em 11,40%. Essa estimativa leva em consideração a taxa de juro do swap pré de 360 dias dividida pela projeção para o IPCA 12 meses à frente, relatada pela Pesquisa Focus do BC. Hoje, por estes mesmos critérios, a taxa ex-ante está em 5,82%, pois a taxa do swap pré está em 11,27% e a expectativa de inflação para um ano está em 5,15%.

Nos gráficos que ilustram o box do relatório de inflação, o BC não manifestou a ordem de grandeza das taxas. Talvez tal decisão vise não abrir espaço para interpretações de analistas sobre qual é a taxa de juros de equilíbrio estimada pela autoridade monetária. Contudo, um fato chamou a atenção de Camargo. Ele apontou que é mais acentuada a inclinação da curva da taxa de juro real de equilíbrio, apontada no gráfico 2, em relação à trajetória da curva do swap pré real de 360 dias. Isso sugere que, caso as escalas sejam iguais, a variação da taxa de juro real de equilíbrio foi superior ao registrado no gráfico 1. "Hoje estimamos que a taxa real de equilíbrio está ao redor de 6,5% ao ano", comentou Camargo. No gráfico 2, o BC manifesta a taxa real de equilíbrio estimada pela Regra de Taylor que é levada em consideração pela instituição ao definir a taxa meta Selic nas reuniões do Copom.

Na avaliação de Camargo, o gráfico 2 sugere que a taxa de juro real estimada pelo BC leva em consideração a taxa do swap pré atual, que está em 11,27%, e a projeção para o IPCA no terceiro trimestre de 2011, que está em 4,7%, segundo o cenário de referência divulgado hoje. Por este critério, a taxa real atinge o patamar de 6,27%. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.