Juros ao consumidor têm 6ª queda consecutiva, diz Procon

Ritmo de queda foi menor do que em maio; taxa média do cheque especial passou de 8,89% para 8,87% ao mês

Agência Estado

15 de junho de 2009 | 11h14

As taxas médias de juros dos empréstimos pessoais e do cheque especial registraram queda pelo sexto mês consecutivo, de acordo com pesquisa da Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-SP) divulgada nesta segunda-feira, 15. O ritmo de queda, no entanto, foi menor que em maio. O levantamento mostrou que, no empréstimo pessoal, a taxa média cobrada pelos bancos pesquisados caiu de 5,57% para 5,52% ao mês em junho, uma diminuição de 0,05 ponto porcentual. No cheque especial, a taxa média cedeu de 8,89% para 8,87% ao mês, queda de 0,02 ponto porcentual.

 

A Fundação Procon-SP, órgão vinculado à Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania do Estado, realizou a pesquisa nos dias 2 e 3, em dez bancos: Banco do Brasil (BB), Bradesco, Caixa Econômica Federal (CEF), HSBC, Itaú, Nossa Caixa, Real, Safra, Santander e Unibanco. O levantamento de junho foi realizado antes da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), nos dias 9 e 10 de junho, quando a taxa Selic foi reduzida de 10,25% para 9,25% ao ano.

 

Entre os dez bancos pesquisados, quatro reduziram as taxas do empréstimo pessoal, sendo que a maior queda foi de 0,40 ponto porcentual. Três bancos reduziram taxas do cheque especial e as quedas não excederam 0,08 ponto porcentual. Na pesquisa do mês anterior, praticamente todos os bancos promoveram reduções em suas taxas.

 

No empréstimo pessoal, o banco Safra realizou a maior redução na taxa de juros em junho, de 5,90% para 5,50% ao mês, um decréscimo de 0,40 ponto porcentual. O Unibanco reduziu sua taxa de 6,79% para 6,71%; o Banco do Brasil alterou de 4,58% para 4,56% e Nossa Caixa diminuiu sua taxa de 4,58% para 4,56%. Os demais bancos mantiveram as taxas de empréstimo pessoal.

 

Quanto ao cheque especial, o Banco do Brasil alterou sua taxa de 7,85% para 7,77% ao mês; o Unibanco reduziu de 8,79% para 8,71% ao mês e a Nossa Caixa diminuiu de 7,82% para 7,77% ao mês. Os demais bancos mantiveram suas taxas.

 

De acordo com o Procon, as taxas para empréstimos pessoais referem-se a contratos para pagamento em 12 meses, já que todos os bancos pesquisados trabalham com este prazo. Para o cheque especial foi considerado o período de 30 dias. Os dados coletados referem-se às taxas máximas pré-fixadas para clientes não preferenciais, independente do canal de contratação.

Tudo o que sabemos sobre:
Procon-SPjuros

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.