Justiça absolve ex-diretor financeiro da Sadia

Processado pela Sadia pelas perdas de R$ 2,48 bilhões em derivativos no auge da crise financeira global, o executivo Adriano Ferreira foi inocentado ontem pelo Tribunal de Justiça de São Paulo. A empresa ainda pode recorrer. Ex-diretor financeiro da Sadia, Ferreira foi acusado de tomar as decisões que resultaram nos prejuízos bilionários sem conhecimento do Conselho de Administração da companhia. Por dois votos a um, os juízes entenderam que o executivo não agiu sozinho.

AE, Agencia Estado

27 de agosto de 2010 | 10h01

Os juízes nem chegaram a votar o mérito da questão. Foi uma decisão baseada em um argumento técnico. No começo de abril de 2009, o Conselho de Administração decidiu processar Ferreira com base num relatório da auditoria BDO Trevisan, que considerou o executivo o único responsável. No entanto, poucos dias depois, em uma assembleia geral ordinária, a Sadia aprovou as contas de 2008, um procedimento formal. O advogado de Ferreira argumentou que, ao dar esse aval, a empresa também admitia que estava ciente das manobras financeiras.

A Sadia teve prejuízos que quase a levaram à falência. Os derivativos cambiais são instrumentos usados para proteger as empresas contra as oscilações bruscas do dólar. Mas, antes da crise, as empresas utilizaram os derivativos de uma forma especulativa para alavancar seus lucros. Procurada, a Sadia não se manifestou. A empresa ainda pode recorrer ao Superior Tribunal de Justiça. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.