DANIEL TEIXEIRA | ESTADAO CONTEUDO
DANIEL TEIXEIRA | ESTADAO CONTEUDO

Justiça defere pedido de recuperação judicial de Viracopos

Pedido foi deferido pela juíza Bruna Marchese e Silva, da 8.ª Vara Cível, do Tribunal de Justiça de São Paulo

O Estado de S.Paulo

24 Maio 2018 | 04h00

O pedido de recuperação judicial da concessionária Aeroporto Viracopos Brasil, que administra o terminal de Campinas (SP), foi deferido pela juíza Bruna Marchese e Silva, da 8.ª Vara Cível, do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP). A dívida da companhia é de R$ 2,9 bilhões. 

O prazo para apresentação do plano de recuperação é de 60 dias. A juíza nomeou a consultoria Deloitte como administradora judicial da concessionária. A concessionária vive um impasse: pediu para devolver a concessão do aeroporto, mas não conseguiu fazê-lo por falta de decreto para regulamentar o tema.

+ Demanda de primeira leva de aeroportos concedidos está 30% abaixo do previsto

Em nota oficial, a concessionária Aeroportos Brasil Viracopos informou que a decisão "é importante para manter a eficiência no atendimento aos passageiros e clientes de Viracopos". 

+ Sem caixa, Viracopos pede recuperação judicial para evitar perda de concessão

O pedido de recuperação judicial foi feito no dia 7 de maio, em nome de três empresas: Aeroportos Brasil, companhia formada pelo grupo privado UTC, Triunfo Participações e Investimentos (TPI) – ambas envolvidas na Operação Lava Jato – e a francesa Egis; Aeroportos Brasil Viracopos (ABV), concessionária que administra o ativo e inclui a participação da estatal Infraero; e Viracopos Estacionamentos, uma subsidiária da concessionária.

+ Justiça suspende processo de caducidade da concessão de Viracopos

O colapso financeiro de Viracopos foi resultado de um modelo de concessão amplamente criticado pelo mercado. “O foco era distorcido, muito mais voltado para a construção do que para a operação. As concessões atuais têm muito mais chance de sucesso”, afirma o advogado Fernando Marcondes, sócio do escritório L.O. Baptista. Viracopos foi licitada em 2012, durante o governo Dilma Rousseff. Foi arrematado por R$ 3,82 bilhões, com ágio de 159% e apostas num crescimento acelerado do volume de passageiros e carga. 

O que ocorreu, entretanto, foi uma retração na demanda de passageiros. A empresa que administra o Aeroporto de Viracopos investiu R$ 3 bilhões para elevar a capacidade do terminal para 25 milhões de pessoas, mas no ano passado movimentou apenas 9,2 milhões de passageiros – ou seja, a ociosidade registrada foi de 63%. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.