EFE/EPA/SEBASTIEN NOGIER
EFE/EPA/SEBASTIEN NOGIER

Justiça restringe direitos da francesa Lactalis na Itambé

Venda de 100% da Itambé ao grupo ocorreu no início de dezembro por cerca de US$ 600 mi; suspensão ficará até que seja concluída a arbitragem entre o grupo mexicano Lala e a Lactalis

Reuters

16 de janeiro de 2018 | 11h47

O Tribunal de Justiça de São Paulo decidiu na segunda-feira que o Grupo Lactalis SA da França não pode por enquanto administrar a Itambé Alimentos SA, apesar de ter reconhecido a validade do acordo de aquisição da empresa brasileira de lácteos pela francesa em dezembro, de acordo com documentos.

O desembargador Cesar Ciampolini determinou que a Lactalis se mantenha fora da administração da Itambé até que seja concluída a arbitragem que está ocorrendo entre o grupo mexicano Lala SAB de CV e Lactalis na Câmara de Comércio Brasil-Canadá.

+ Brasil não faz parte da lista de 83 países com problemas no leite em pó

A Cooperativa Central dos Produtores de Minas Gerais (CCPR) acertou a venda de 100% da Itambé ao grupo francês no início de dezembro por cerca de US$ 600 milhões.

A Vigor Alimentos SA, que foi vendida pela JBS ao grupo Lala em outubro, questionou a transação e uma liminar suspendeu temporariamente a venda em 18 de dezembro.

A decisão na segunda-feira foi em resposta a um recurso da cooperativa. A Vigor possuía uma participação de 50% na empresa até novembro, quando a CCPR exerceu o direito de adquirir a participação.

A Vigor argumenta que a CCPR rompeu o acordo de acionistas da Itambé ao negociar com a Lactalis. O desembargador, contudo, validou a aquisição da Itambé pelo grupo francês.

Vigor e a CCPR se recusaram a comentar, dizendo que a ação está sob segredo de Justiça.

Tudo o que sabemos sobre:
JBSVigorLactalis

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.