Kirin adquire americana enquanto repensa o Brasil

Empresa agora tem 25% da norte-americana Brooklyn Brewery, que produz cervejas artesanais

Agências

13 de outubro de 2016 | 05h00

Enquanto estuda alternativas para seus ativos no Brasil, que podem ser vendidos para a gigante Heineken ou a alguma outra concorrente, a japonesa Kirin, dona no País de importantes marcas, como Schin e Devassa, adquiriu fatia de 25% na empresa americana Brooklyn Brewery, que produz cervejas artesanais – um segmento que vem mostrando crescimento mais robusto do que o da bebida padrão. O valor do negócio não foi revelado.

Esse acordo nos EUA vai dar ao grupo japonês os direitos para vender a bebida em milhares de pubs dos Estados Unidos, permitindo que a empresa ganhe fôlego fora do seu país de origem, de acordo com reportagem do Financial Times.

A opção por um negócio de nicho difere da aposta feita no Brasil – a empresa investiu mais de R$ 6 bilhões para ficar com a Schincariol. Desde que assumiu o negócio, no entanto, só viu sua participação cair. Vice-líder do setor em 2010, a empresa viu sua fatia de mercado recuar para cerca de 8% ao ser ultrapassada por Petrópolis (dona da Itaipava) e Heineken. 

A aposta do grupo japonês e de outras concorrentes em cervejas artesanais tornou-se uma estratégia para incrementar suas receitas, já que este segmento vai bem no Japão. No Brasil, a Kirin é dona da Baden Baden e da Eisenbahn, mas está tendo de reduzir os preços de suas marcas premium por causa da crise que se abateu sobre a companhia no País.

As conversas para a Heineken adquirir os ativos da companhia japonesa de bebidas se intensificaram, conforme antecipou o Estado no mês passado. 

Direção. Nos Estados Unidos, segundo o Financial Times, a compra de 25% da Brooklyn Brewery, a 12.ª marca de cerveja artesanal do país, pode ser crucial para a expansão da empresa japonesa. As duas companhias se comprometeram a desenvolver bebidas específicas para o paladar japonês. 

A Kirin foi uma das primeiros das cervejarias japonesas a fazer apostas em cerveja artesanal, com a compra de uma participação de 33% no rótulo artesanato Yo-Ho Brewing em 2014, lembrou o jornal inglês. 

Outros rivais da companhia de bebidas em seu país de origem, como Suntory e Asahi, seguiram o mesmo exemplo, para competir em um dos poucos nichos de expansão no mercado de cerveja, que atualmente está em retração no Japão. 

Tudo o que sabemos sobre:
KirinCerveja

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.