Agliberto Lima/AE
Agliberto Lima/AE

Klabin e Arauco pagam R$ 840 mi por empresa de reflorestamento no PR

Com a aquisição da Florestal Vale do Corisco, empresas devem garantir matéria-prima necessária para ampliação da produção de papel e de painéis de madeira

Evandro Fadel, de O Estado de S. Paulo,

04 de novembro de 2011 | 23h00

A Klabin, maior fabricante brasileira de papéis para embalagens, e a chilena Arauco anunciaram nesta sexta-feira, 4, investimentos de US$ 473,5 milhões (aproximadamente R$ 840 milhões) na compra da Florestal Vale do Corisco, na região nordeste do Paraná, onde as duas empresas já possuem fábricas e áreas de reflorestamento.

Os 107 mil hectares de terras, com 63 mil hectares de florestas, devem impulsionar uma ampliação que a Arauco está fazendo em uma de suas unidades e a instalação de nova fábrica que a Klabin deve confirmar em breve. A compra foi feita por meio da Centaurus Holdings, empresa com 51% de participação da Klabin e 49% da Arauco.

A Klabin possui 17 unidades industriais no Brasil e na Argentina, e passa a ter 243 mil hectares de florestas comerciais, dos quais 110 mil "disponíveis para novos projetos industriais". Já a Arauco é detentora de 68 mil hectares de área plantada no País. "A aquisição é uma notícia importante para as duas empresas, pois complementa o patrimônio num local onde já têm grande presença", disse o diretor de assuntos corporativos da Arauco Brasil, Fernando Lorenz.

Expansão. Na região, existem aproximadamente 300 pequenos, médios e grandes empreendimentos florestais. O diretor da Arauco acentuou que a empresa cresceu com a aquisição de outras indústrias. Agora, está sendo feito o primeiro investimento para expansão de uma das três unidades de painéis de madeira que possui no Paraná. Pelo protocolo de intenções assinado com o governo do Paraná, a unidade de Jaguariaíva receberá cerca de R$ 272 milhões, com vistas a aumentar a produção de MDF de 315 mil para 815 mil m³ em maio de 2012. O projeto prevê também a implantação de uma linha para produzir 280 mil m³ por ano de MDF revestido.

A Klabin já tinha anunciado, havia dois anos, a intenção de construir nova fábrica em um dos locais onde possui ativos florestais, que se estendem pelo Paraná, Santa Catarina e São Paulo. Fontes ouvidas pelo jornal curitibano Gazeta do Povo disseram que o investimento está garantido para o Paraná e pode chegar a R$ 5,8 bilhões, incluindo a expansão da cobertura florestal.

Atualmente, a Klabin produz 1,1 milhão de toneladas de papel e cartões por ano na unidade que possui em Telêmaco Borba. A nova fábrica teria capacidade para até 1,5 milhão de toneladas ao ano, com previsão de início de funcionamento em 2015.

Para o diretor-executivo da Associação Paranaense de Empresas de Base Florestal, Carlos Mendes, o importante é que as três empresas envolvidas no negócio têm base no Estado. "De certa forma, é confortável para o setor que os ativos fiquem com empresas que já estão aqui."

Tudo o que sabemos sobre:
klabinpapelaraucoreflorestamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.