Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Kombi restaurada no Brasil é exportada para 15 países

Negócio surgiu por acaso em 2016 e este ano a Brazil Kombi vai vender no exterior 100 unidades do modelo ícone, produzido no Brasil durante 56 anos

Cleide Silva, O Estado de S.Paulo

14 de novembro de 2021 | 05h00

Dono de uma empresa de trading há cerca de 20 anos, Alexandre Fares intermediava importações e exportações de diversos produtos como alimentos, vestuários e peças para carros. Em 2016, recebeu um inusitado pedido de um alemão. Embarcar uma Kombi adquirida em São Paulo, onde ele tinha passado o carnaval daquele ano.

“Era um lixo”, define Fares, que assim mesmo providenciou a documentação e exportou a Kombi com mais de 30 anos, via Porto de Santos rumo à Alemanha. No mesmo ano, Björn Augustin, o alemão, contratou os serviços de Fares para o envio de mais dez Kombis que encontrou em anúncios brasileiros, a maioria em estado de conservação bem ruim.

O cliente reformava os veículos e os revendia. Segundo Fares, a perua da Volkswagen tem muitos admiradores no país onde nasceu em 1950 (e morreu no fim nos anos 70), mas praticamente não há mais modelos disponíveis à venda.

“Há pessoas alucinadas pela Kombi; algumas são colecionadoras, outras são pessoas que gostam do modelo e usam para levar a família para passear no fim de semana ou usam como motorhome”, afirma o empresário.

Perua foi produzida no Brasil por 56 anos

Indicado por Augustin, Fares passou a receber mais pedidos da icônica Kombi, modelo que começou a ser produzido no Brasil por 56 anos. Saiu de linha em 2013 como o carro mais longevo no mundo.

A perua mais vendida no mercado brasileiro não tinha condições de receber itens de segurança como airbag e freio ABS, que no ano seguinte passaria a ser obrigatório em todos os veículos novos.

Em 2017, Augustin sugeriu a Fares que fizesse o trabalho de restauração, em vez de exportar os veículos nas condições em que eram compradas. Ele suspendeu as atividades da trading para se dedicar ao negócio de compra e reforma de peruas, junto com o sócio Paulo Victor Mesquita, de 35 anos, dono de uma empresa de prestação de serviços de despachante no Porto de Santos – que também fechou para cuidar exclusivamente das exportações de Kombi.

Juntos fundaram a Brazil Kombi, com sede e oficina em Duque de Caxias (RJ) e exportaram, até agora, mais de 350 Kombis para 15 países. O negócio cresce ano a ano e, em 2021, atingirá volume recorde de 100 unidades.

Os compradores são de países como França, EUA, Inglaterra, Austrália, Líbano e Porto Rico, além da Alemanha, o maior comprador. Entre eles há empresas de turismo e de locação de carros para casamentos e eventos.

Reforma da Kombi pode levar até um ano

A reforma de uma Kombi leva em média três meses, mas há casos em que chega a um ano, em especial as customizadas. A empresa entregou no ano passado uma versão chamada de Herbie – com cores e adereços que remetem ao filme “Se meu Fusca falasse”. Outra teve de ser pintada de preto a amarelo, porque o comprador é torcedor do time alemão Borussia Dortmund. Na opinião de Fares, “ficou horrorosa”.

A mais cara vendida até agora foi uma Kombi 1958, versão considerada muito rara, que precisou de várias reformas e foi entregue a um comprador da Austrália por € 38 mil (R$ 238 mil pela cotação atual).   

Feres tem 46 anos, sempre atuou na área de comércio exterior e em meados dos anos 80 trabalhou no Ministério do Desenvolvimento. Nunca teve uma Kombi e às vezes tenta ficar com algum dos modelos que reforma, mas sempre aparece uma boa oferta e acaba vendendo.

No início das operações da nova empresa, ele e o sócio rodavam o Brasil inteiro a procura de Kombis com mais de 25 anos (idade mínima permitida para a exportação dos carros considerados raridades para os EUA) e acima de 30 anos para a Europa e outros países.

“Encontramos um Kombi jogada num curral de bois em Piedade de Caratinga (interior de Minas Gerais), muito ruim e tivemos praticamente de trocar tudo; deu muito trabalho, mas ficou ótima”, lembra Feres, ao contar de experiências nas andanças em busca de peruas.

A história que mais marcou, diz ele, foi em Caratinga, também em Minas, há cerca de três anos. “Compramos uma Kombi 1969 de um casal, branca, muito bem conservada; quando estávamos saindo, os donos, ambos na casa dos 80 anos, começaram a chorar muito.”

A senhora contou que eles tinham passado a lua de mel na Kombi. E o senhor disse que não era veículo de um único dono, mas de um único motorista: não deixou ninguém dirigi-la, nem mesmo os filhos. Como nos últimos anos a Kombi estava encostada, porque ele não podia mais dirigir, decidiu vendê-la porque não queria ver o veículo se acabar ali. “Me deu muita pena trazer o carro”, diz Feres.

Atualmente, ele e Mesquita não precisam mais garimpar Kombis Brasil afora. Eles se tornaram conhecidos no mercado e agora muitas pessoas oferecem os veículos, mandam fotos e alguns compram os veículos para revender para a empresa.

Mão de obra para restauração é gargalo

A oficina em Duque de Caxias tem 13 funcionários que trabalham na restauração. A mão de obra é o principal gargalo da Brazil Kombi. “É muito difícil conseguir mão de obra especializada”, afirma Feres. “Não fosse isso, poderíamos restaurar muito mais veículos, mas hoje dispensamos clientes por não termos condições de atender.”

Recentemente, a empresa passou a restaurar outros modelos, como Fusca, Brasília, Variant, SP2, Saveiro e Land Rover. “Em geral, nossos clientes têm paixão por carros da Volkswagen com motor a ar, mas ainda não descobri a razão”, diz o empresário. A empresa estuda, no momento, abrir uma unidade na Alemanha ou EUA para venda dos veículos e peças.

As novas regras que estabelecem o fim da produção de carros a combustão na Europa e outros países nos próximos anos não deve ter impacto nos negócios, acredita Feres. Por serem considerados raridade, os modelos antigos continuarão podendo circular, ainda que tenham restrição em alguns locais. Na era dos elétricos, ainda haverá mercado para a velha e poluidora Kombi.

Até 2013, foram vendidas no Brasil 1,55 milhão de Kombis, das quais 1,2 mil da versão 'Last Edition', feita para sua despedida, que teve ainda publicação de um testamento e filme na TV com o retorno da última unidade "voltando para casa"  - um museu na Alemanha. Uma nova e tecnológica perua elétrica, descedente da Kombi, será lançada em breve pela Volkswagen com o nome de ID.Buzz.


 

Tudo o que sabemos sobre:
KombiVolkswagenexportação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.