Kraft e Nestlé miram o mercado de chocolates de Israel

A Kraft Foods e a Nestlé estão de olho no mercado israelense de chocolates, que vem tendo uma procura maior e, assim, pode oferecer uma porta de entrada para o Oriente Médio. Com a fraca demanda em mercados tradicionais como os EUA e a Europa, os fabricantes de chocolate estão buscando novos consumidores.

ANGELO IKEDA, Agencia Estado

27 de março de 2012 | 14h14

Embora Israel represente apenas 1,5% da demanda global, o mercado de chocolates do país deve crescer entre 5% e 10% este ano em valor. Nos últimos anos, o crescimento foi de quase 40%, segundo a Leatherhead Food Research.

No mês passado, a Nestlé ampliou sua participação na fabricante de alimentos israelense Osem Investments em 4,99%, para 58,76%. A Kraft Foods Israel, por sua vez, informou que ampliou sua linha de produtos no país em 2011, principalmente por meio da marca de chocolates Milka. A empresa disse ainda que o plano de longo prazo é aumentar os negócios no país com os chocolates Milka e outros produtos.

O aumento no consumo de chocolate, feito predominantemente de cacau, se dá em um momento de alta na demanda por outras soft commodities. "Há uma forte relação entre o aumento do PIB e o consumo de produtos relacionados ao cacau", disse Keith Flury, analista de soft commodities do Rabobank. "As empresas veem um país em crescimento como Israel e querem vender bens de consumo como cereais e sorvete, que elevam a demanda por cacau." As informações são da Dow Jones.

(Angelo Ikeda)

Tudo o que sabemos sobre:
chocolatesKraftNestléIsrael

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.