Felipe Rau/ Estadão
Felipe Rau/ Estadão

Latam vê alta de 350% em buscas de voos para os EUA após reabertura de fronteiras

Governo americano anunciou na segunda-feira que estrangeiros totalmente vacinados contra a covid estão liberados para entrar nos Estados Unidos

Juliana Estigarríbia, O Estado de S.Paulo

23 de setembro de 2021 | 05h00

A aérea chilena Latam, companhia que está em processo de recuperação judicial nos Estados Unidos, anunciou ter registrado um crescimento de 350% na procura por voos do Brasil para os Estados Unidos nas primeiras 24 horas após o anúncio, na segunda-feira, de reabertura das fronteiras do país para estrangeiros totalmente vacinados contra a covid-19. 

A Gol e a Azul também tiveram forte alta na Bolsa, ontem, na esteira do melhor cenário para o turismo. Enquanto o papel da primeira subiu 5,77%, o da segunda teve alta de quase 9% – dia de alívio em todos os setores com a redução da apreensão relativa à construtora chinesa Evergrande

Nos últimos dias, as empresas ligadas de alguma forma ao setor de viagens têm apresentado bom desempenho no mercado financeiro. 

Atualmente, a aérea já opera três voos semanais para Miami e três para Nova York, ambos partindo de Guarulhos. Em paralelo, a empresa afirma estar preparada para aumentar os voos entre os países assim que a reabertura for oficializada pelas autoridades.

“Em toda a pandemia, a Latam nunca deixou de voar do Brasil aos Estados Unidos. A perspectiva de reabertura reforça mais uma vez a importância da vacinação de todos para a retomada de atividades como o turismo e as viagens a negócios”, afirma, em nota, o diretor de Vendas e Marketing da Latam Brasil, Diogo Elias.

De acordo com o executivo, a reabertura do trânsito de estrangeiros em solo americano poderá significar a retomada de rotas como Orlando e Boston, suspensas desde o início da pandemia. Ao todo, a aérea já retomou voos do Brasil para 14 destinos internacionais – antes da pandemia, eram 26.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.