Leia a íntegra do comunicado do Fed

Veja a íntegra do comunicado divulgado pelo Federal Reserve (Fed) norte-americano ao fim da reunião de dois dias do Comitê de Mercado Aberto (Fomc):

Renato Martins, Agência Estado

31 de julho de 2013 | 15h53

"Informações recebidas desde que o Comitê Federal de Mercado Aberto se reuniu em junho sugerem que a atividade econômica se expandiu a um ritmo modesto durante a primeira metade do ano. As condições do mercado de mão de obra mostraram melhora adicional nos últimos meses, na média, mas a taxa de desemprego continua elevada. Os gastos dos consumidores e os investimentos fixos das empresas avançaram, e o mercado de moradias tem se fortalecido, mas as taxas de juro das hipotecas subiram bastante e a política fiscal está restringindo o crescimento econômico. Refletindo, em parte, influências transitórias, a inflação tem estado abaixo da meta de longo prazo do Comitê, mas as expectativas quanto à inflação no prazo mais longo permaneceram estáveis.

"Consistente com seu mandato estatutário, o Comitê busca fomentar o máximo emprego e a estabilidade dos preços. O Comitê espera que, com acomodação política apropriada, o crescimento econômico vai se acelerar de seu ritmo recente e a taxa de desemprego vai declinar gradualmente na direção de níveis que o Comitê julga consistentes com seu mandato duplo. O Comitê vê os riscos negativos à perspectiva para a economia e o mercado de mão de obra como tendo diminuído desde o outono. O Comitê reconhece que uma inflação persistentemente abaixo de sua meta de 2% pode trazer riscos ao desempenho econômico, mas antecipa que a inflação vá voltar a subir na direção da meta no médio prazo.

"Para apoiar uma recuperação econômica mais forte e ajudar a assegurar que a inflação, ao longo do tempo, esteja à taxa mais consistente com seu mandato duplo, o Comitê decidiu continuar a comprar títulos de agências lastreados em hipotecas ao ritmo de US$ 40 bilhões por mês e títulos do tesouro de prazos mais longos ao ritmo de US$ 45 bilhões por mês. O Comitê está mantendo sua política existente de reinvestir os pagamentos do principal de suas posição em dívida de agências e títulos de agências lastreados em hipotecas e de rolar em leilão os títulos do Tesouro que estiverem vencendo. Tomadas juntas, essas medidas devem manter uma pressão baixista nas taxas de juro de longo prazo, apoiar os mercados de hipotecas e ajudar a tornar mais acomodatícias as condições financeiras de maneira geral.

"O Comitê vai monitorar de perto as informações que chegarem sobre os acontecimentos econômicos e financeiros nos próximos meses. O Comitê continuará suas compras de títulos do Tesouro e títulos de agências lastreados em hipotecas, e a empregar suas outras ferramentas de política conforme for apropriado, até que a perspectiva para o mercado de mão de obra tenha melhorado substancialmente num contexto de estabilidade dos preços. O Comitê está preparado para aumentar ou reduzir o ritmo de suas compras para manter a acomodação política apropriada, á medida que mudem a perspectiva do mercado de mão de obra ou da inflação. Ao determinar o tamanho, o ritmo e a composição de suas compras de ativos, o Comitê vai continuar a levar em conta de modo apropriado a eficácia provável e os custos de tais compras, assim como a extensão do progresso na direção de seus objetivos econômicos.

"Para apoiar o progresso contínuo na direção do máximo emprego e da estabilidade dos preços, o Comitê reafirmou hoje sua visão de que uma posição altamente acomodatícia da política monetária permanecerá apropriada por um tempo considerável depois de o programa de compras de ativos terminar e de a recuperação econômica se fortalecer. Particularmente, o Comitê decidiu manter a meta para a taxa dos Federal Funds em zero a 0,25% e atualmente prevê que essa faixa excepcionalmente baixa para a taxa dos Federal Funds será apropriada pelo menos enquanto a taxa de desemprego permanecer acima de 6,5%, a inflação entre um e dois anos à frente seja projetada para estar não mais de meio ponto porcentual acima da meta de longo prazo do Comitê, de 2%, e que as expectativas quanto á inflação no prazo mais longo continuem bem ancoradas. Ao determinar por quanto tempo manter uma posição altamente acomodatícia para a política monetária, o Comitê também vai considerar outras informações, incluindo medições adicionais das condições do mercado de mão de obra, indicadores de pressões inflacionárias e de expectativas de inflação e leituras sobre acontecimentos financeiros. Quando o Comitê decidir começar a remover a acomodação política, ele adotará uma perspectiva equilibrada, consistente com suas metas para o prazo mais longo, de máximo emprego e e inflação de 2%.

Votaram a favor da decisão de política monetária: Ben S. Bernanke, chairman; William C. Dudley, vice-chairman; James Bullard; Elizabeth A. Duke; Charles L. Evans; Jerome H. Powell; Sarah Bloom Raskin; Eric S. Rosengren; Jeremy C. Stein; Daniel K. Tarullo; e Janet L. Yellen. Votou contra: Esther L. George, que estava preocupada com que o nível continuamente elevado de acomodação monetária aumente os riscos de desequilíbrios econômicos e financeiros no futuro e, ao longo do tempo, possa causar uma elevação das expectativas quanto à inflação no longo prazo."

A íntegra do comunicado em inglês está disponível no site: http://federalreserve.gov/newsevents/press/monetary/20130731a.htm

Tudo o que sabemos sobre:
fed

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.