Leilão de transmissão tem estatais e chinesa entre vencedoras

O leilão de transmissão de energia realizado nesta sexta-feira pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) teve um deságio médio de 24,89 por cento, com Eletrobras e Copel entre as vencedoras, incluindo também a chinesa State Grid, que estreou como vencedora em parceria com Furnas.

ANNA FLÁVIA ROCHAS, REUTERS

16 de dezembro de 2011 | 13h05

"É a consolidação desse nosso novo modelo de competição", disse o presidente da Comissão Especial de Licitação da Aneel, Márzio Ricardo de Moura, em coletiva de imprensa, ao se referir à nova regra aplicada a partir desse certame, que busca dar maior competitividade á competição e evitar lances únicos sem desconto em relação à Receita Anual Permitida (RAP) máxima estabelecida.

Ainda houve um lote no qual apenas uma proponente apresentou proposta sem deságio -o Consórcio formado pela Copel (80 por cento) e Eletrosul (20 por cento), esta última do grupo Eletrobras, que garantiram a receita máxima de 12,972 milhões de reais.

A Eletrobras esteve presente entre as vencedoras em quatro dos nove lotes do leilão -venceu o lote A, maior do certame, em parceria com a Copel, por meio da Eletrosul; arrematou o lote B por meio da Chesf; venceu novamente com a Copel o lote F, no Paraná, também por meio da Eletrosul, e ainda conquistou o lote H, em Goiás, com a chinesa State Grid.

"Nós tivemos a oportunidade de vencer um leilão que para nós é extremamente simbólico porque é a estreia de uma parceria que pode render uma ligação empresarial muito importante para o Brasil e para a China, em empreendimentos aqui, no exterior", disse a diretora de Planejamento, Gestão de Negócios e Participação de Furnas, Olga Simbalista.

As empresas levaram o lote H, que tem duas subestações, com um deságio de 5,2 por cento, garantindo uma receita anual de 7,4 milhões de reais.

Segundo Simbalista, Furnas foi procurada pela chinesa há cerca de um mês e ainda não há nenhuma estratégia definida para que participem de outros investimentos em conjunto, no futuro. "Uma primeira troca de olhares, quando tem interesse das duas partes, pode até resultar em casamento... Eu pessoalmente acredito que isso possa ser um primeiro passo de uma grande jornada", acrescentou.

A Copel foi uma das vencedoras também em quatro lotes. Além das vitórias com empresas da Eletrobras, a paranaense levou os lotes E, no Paraná, e I, no Maranhão, em parceria com a empresa de origem espanhola Elecnor.

"Naturalmente, foi muito prazeroso para nós participarmos do leilão", disse o diretor de Engenharia da Copel, Jorge Andriguetto, ao acrescentar que o certame mostra o objetivo da empresa paranaense de se expandir.

OUTROS LOTES

O maior desconto em relação à receita máxima estabelecida para cada lote foi de 43,5 por cento, apresentado pela Neoenergia, que arrematou o lote G, o menor do leilão em receita, da subestação Extremoz II, localizada no Rio Grande do Norte. A empresa garantiu uma receita anual de 2,278 milhões de reais.

Já o lote D, em Santa Catarina, foi arrematado pela Empresa Catarinense de Transmissão de Energia (ECTE), com deságio de 38 por cento.

O lote C, com a linha de transmissão Lechuga-Jorge Teixeira, no Amazonas, não recebeu ofertas.

Tudo o que sabemos sobre:
ENERGIALEILAOLOTEI*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.