Liberação do crédito rural cai 16,6% em relação a julho e agosto de 2010

Queda se deve à redução das aplicações a juro livres para as agroindústrias e ao fim da linha de crédito criada pelo governo após a crise financeira de 2008

Venilson Ferreira, da Agência Estado,

20 de setembro de 2011 | 18h42

A liberação de recursos nas linhas de crédito do Plano Agrícola e Pecuário atingiu R$ 17 bilhões em julho e agosto deste ano, os dois primeiros meses da safra 2011/12. O valor é 16,6% inferior ao liberado em igual período do ano passado, quando foram contratados R$ 20,4 bilhões.

A queda se deve principalmente à redução das aplicações a juro livres para as agroindústrias e ao fim da linha de crédito anticíclica denominada BNDES/BB Procer, criada pelo governo para financiar o capital de giro das empresas após a crise financeira de 2008. O montante de recursos caiu de R$ 4,88 bilhões em julho e agosto do passado para R$ 180 milhões nos mesmos meses deste ano.

Ives Cézar Fülber, diretor de agronegócios do Banco do Brasil, explica que somente na linha BNDES/BB Procer foram liberados 2,872 bilhões em julho e agosto do ano passado. A linha, que tinha taxa de juros fixa de 11,25% ao ano, com dois anos para amortização, funcionou em 2009 e 2010. Ele comenta que os recursos liberados neste ano são resíduos de financiamentos contratos até 30 de junho do ano passado, quando a linha deixou de existir.

Em relação aos financiamentos a taxas de juros livres para as agroindústrias, Ives Fülber afirmou que a demanda normalmente é menor nesta época do ano. Ele afirmou que a procura deve aumentar nos próximos meses e que até o final do ano devem ser disponibilizados de R$ 1,8 bilhão a R$ 2 bilhões, tendo como funding as Letras de Crédito do Agronegócio (LCA).

O Ministério da Agricultura informou que para financiamento do custeio e da comercialização na 2010/11 houve um aumento de 5,2% nos recursos, com taxas de juros controladas. O montante nos dois primeiros meses atingiu R$ 12,3 bilhões.

No caso do Banco do Brasil, a liberação de recursos para produtores rurais e suas cooperativas atingiu R$ 7,778 bilhões no acumulado de julho e agosto, valor 19% superior aos R$ 6,530 bilhões liberados em igual período do ano passado. O diretor de agronegócios do Banco do Brasil chama a atenção para as aplicações na linha de crédito destinada aos médios produtores (Pronamp), que atingiu R$ 641 milhões nos últimos dois meses e cresceu 17% em relação a igual período da safra passada.

Tudo o que sabemos sobre:
agronegociocredito rural

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.