Paulo Vitor/Estadão
Paulo Vitor/Estadão

Lista de credores da Oi alcança 400 páginas e inclui pessoas físicas

Donos de títulos detêm R$ 34 bi de um passivo de R$ 61 bi; clientes que processaram a Oi são listados como credores

O Estado de S.Paulo

22 Junho 2016 | 08h39

RIO - Os credores sem garantia real (quirografários) são os que têm a maior quantia a receber da Oi, um total de R$ 61,2 bilhões. Há nessa relação, por exemplo, bancos e detentores de títulos. A dívida total que consta no plano é de R$ 65,4 bilhões. O Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, obteve a lista de credores da operadora apresentada na Justiça.

A relação, com quase 400 páginas, traz ainda o detalhamento de quanto dessa parcela está em moeda estrangeira. Dentro dos R$ 61,2 bilhões, são US$ 5 bilhões e € 4,56 bilhões.

Somente os detentores de títulos somam quase R$ 34 bilhões. Desse total, são representados pelo Citicorp Trustee Company, que são credores com valores que somam R$ 15,7 bilhões, e pelo The Bank of New York Mellon, outros R$ 18,16 bilhões. Fontes afirmam que eles detêm debêntures.

Os demais credores são microempresas e empresas de pequeno porte (R$ 158,2 milhões), trabalhadores (R$ 668 milhões) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), único da lista que possui garantia real. O banco de fomento possui crédito de R$ 3,34 bilhões.

Há um grande número de pessoas físicas listadas no documento dentro da parte de credores sem garantia real, sendo que parte delas são pessoas que entraram com ações na Justiça contra a operadora, apurou o Broadcast

Na lista, aparecem ainda grandes empresas e fornecedores, como a Alcatel Lucent Brasil (R$ 30,9 milhões), Nokia Siemens (R$ 26,8 milhões), a Nokia Solutions (R$ 102,2 milhões) e IBM Brasil (R$ 31,2 milhões). Há ainda comércios, como as Lojas Americanas (R$ 181,4 mil).

Com o poder público, a Oi deve, por exemplo, para o governo do Rio de Janeiro R$ 5.772. A KPMG Auditores Independentes tem crédito de R$ 145.257.

Os valores a receber também variam significativamente. Há quem tenha crédito de centavos, enquanto outros de bilhões. Caso o plano de recuperação judicial seja aceito pela Justiça, os credores poderão questionar os valores fornecidos pela Oi. A companhia é assessora pelos escritórios BMA - Barbosa, Müssnich, Aragão, Penalva Santos e Basilio Advogados.

Portugal. O órgão regulador do mercado de capitais de Portugal decidiu suspender ontem a negociação de ações da maior acionista da Oi, a Pharol, e da subsidiária da companhia, a Portugal Telecom Internacional Finance. A ação ocorre após pedido de recuperação judicial da tele anteontem.

O Conselho de Administração da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) informou que a suspensão ocorrerá até a divulgação de informação relevante relativa ao pedido de recuperação das empresas Oi. A Pharol (antiga PT SGPS) e reúne os sócios portugueses e são os maiores acionistas em bloco da Oi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.