Lloyds vai cortar 15 mil vagas em reestruturação

Objetivo é economizar 1,5 bilhão de libras - US$ 2,413 bilhões - por ano nos próximos três anos

Agência Estado,

30 de junho de 2011 | 06h08

O Lloyds Banking Group vai cortar 15 mil postos de trabalho, simplificar suas operações e se concentrar nas quatro unidades principais no Reino Unido, a fim de economizar 1,5 bilhão de libras (US$ 2,413 bilhões) por ano nos próximos três anos, segundo anunciou o presidente da instituição, Antonio Horta-Osorio.

Além dos cortes de vagas, que eram esperados, a redução de custos virá do aperfeiçoamento de processos e da tecnologia, da redução de níveis administrativos e da centralização das funções de apoio. O grupo disse que com isso poderá ampliar seus investimentos em 2 bilhões de libras até 2014 para expandir suas operações principais, que incluem os bancos de varejo Lloyds TSB, Halifax e Bank of Scotland e a seguradora Scottish Widows.

O Lloyds também busca atender mais clientes de alta renda no Reino Unido, por meio da expansão de sua divisão de administração patrimonial, e cortará pela metade sua presença global, hoje em cerca de 30 países, para cerca de 15, até 2014.

Segundo a instituição, as medidas vão "assegurar retornos sobre o capital previsíveis, sustentáveis" e acima do custo do capital. Suas metas são obter um crescimento de receita acima do crescimento do PIB, um aumento da margem de juros líquida para entre 2,15% e 2,3% e um declínio de sua relação custo/receita para 42% a 44%. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Lloydsreestruturaçãodemissões

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.