Lucro da ADM cai com volatilidade de preços

A trader e processadora de grãos norte-americana Archer Daniels Midland (ADM) anunciou nesta terça-feira lucro líquido de US$ 284 milhões no quatro trimestre fiscal, ou 43 centavos por ação. O resultado representa queda de 25% ante o mesmo período do ano fiscal anterior, quando a companhia havia lucrado US$ 381 milhões, ou 58 centavos por ação. Segundo a ADM, a queda se deve à redução dos lucros das operações de serviços agrícolas e de processamento de sementes e milho.

LETICIA PAKULSKI, Agencia Estado

31 de julho de 2012 | 11h50

A empresa enfrentou dificuldades nos últimos trimestres com a volatilidade dos preços dos grãos. A receita da ADM totalizou US$ 22,675 bilhões no período, queda de 0,85% ante o quatro trimestre fiscal do ano anterior. Analistas ouvidos pela agência Thomson Reuters esperavam lucro de 60 centavos por ação e receita de US$ 21,75 bilhões. A margem bruta encolheu de 4,8% para 3,6%.

O lucro operacional relativo ao processamento de oleaginosas caiu 26%, para US$ 331 milhões, em meio aos resultados mais fracos do cacau e de outras oleaginosas. Já o resultado da operação de serviços agrícolas recuou 64%, para US$ 123 milhões, com a queda das exportações dos Estados Unidos. O lucro do segmento de processamento de milho diminuiu 39%, para US$ 74 milhões, em meio a margens negativas do negócio de etanol.

Para os próximos trimestres, a companhia afirmou que a colheita de primavera menor na América do Sul indica que os Estados Unidos deveriam se tornar o principal fornecedor global de soja e farelo. No entanto, os rendimentos do milho e da soja nos EUA estão sendo reduzidos pela seca que atinge o país, embora o trigo tenha sido menos afetado. A ADM espera ainda que os preços mais altos dos grãos devem estimular o aumento das áreas plantadas na América do Sul.

As ações da ADM fecharam a segunda-feira a US$ 27,49, com perda acumulada de 9,5% em doze meses. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
ADMbalançoquarto trimestre fiscal

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.