Lucro da ArcelorMittal sobe no 3º trimestre, mas projeções decepcionam

Companhia elevou ganho líquido para US$ 1,35 bilhão, de US$ 903 milhões em igual período de 2009

Danielle Chaves, da Agência Estado,

26 de outubro de 2010 | 08h32

A ArcelorMittal, a maior siderúrgica do mundo, elevou seu lucro líquido no terceiro trimestre de 2010 para US$ 1,35 bilhão, ante US$ 903 milhões registrado no mesmo período do ano passado, enquanto o Ebitda cresceu para US$ 2,27 bilhões, de US$ 1,59 bilhão. O Ebitda ficou abaixo dos US$ 3,0 bilhões registrados no segundo trimestre deste ano, mas em linha com a previsão dos analistas ouvidos pela Dow Jones de US$ 2,25 bilhões.

Apesar da melhora no resultado, as ações da ArcelorMittal operavam em queda no início da manhã desta terça-feira, 26. A empresa decepcionou o mercado ao fazer projeções mais fracas para o quarto trimestre em razão de uma esperada queda nos preços do aço e da demanda ainda fraca.

"Nossa perspectiva para o quarto trimestre permanece cautelosa, enquanto o esperado aumento dos preços das matérias-primas continuar afetando os negócios e a demanda permanecer baixa, embora com algumas diferenças regionais", afirmou o executivo-chefe da Arcelor, Lakshmi Mittal. A companhia prevê Ebitda entre US$ 1,5 bilhão e US$ 1,9 bilhão nos últimos três meses deste ano. Não foram feitas estimativas para 2011.

A Arcelor também afirmou que não conseguiu implementar aumentos de preços que pretendiam contrabalançar a alta nas matérias-primas usadas na produção de aço - como minério de ferro e carvão de coque - observada neste ano. Agora a companhia espera que os preços do aço fiquem estáveis ou declinem levemente nos últimos meses do ano. Como resultado, a Arcelor não planeja aumentar a produção no período.

O diretor financeiro da Arcelor, Aditya Mittal, disse que prevê que a demanda global por aço subirá 6% em 2011, em relação a 2010, mas crescerá pouco no quarto trimestre deste ano. A Arcelor planeja produzir 50 milhões de toneladas de minério de ferro próprio até o fim deste ano, 10 milhões de toneladas mais que em 2009. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.