Reuters
Reuters

Lucro da BB Seguridade cresce 12% e soma R$ 956 mi no 2º trimestre

Nos primeiros seis meses do ano, no entanto, resultado foi 4,7% menor do que o visto no mesmo período de 2016

Aline Bronzati, O Estado de S.Paulo

07 Agosto 2017 | 08h52

A BB Seguridade, holding que concentra os negócios de seguros do Banco do Brasil, registrou lucro líquido ajustado de R$ 956,306 milhões no segundo trimestre, montante 12,0% menor que o visto em um ano, de R$ 1,087 bilhões. Em relação aos três meses imediatamente anteriores, foi vista retração de 3,7%.

No primeiro semestre, o lucro líquido da BB Seguridade alcançou R$ 1,9 bilhão, queda 4,7% em relação ao mesmo período de 2016. A BB Seguridade explica, em relatório que acompanha suas demonstrações financeiras, que o resultado no período foi impactado principalmente pela queda de 15,8% no resultado financeiro, que por sua vez foi impactado pela queda na taxa Selic e nos índices de inflação, bem como pelo menor resultado de marcação a mercado de títulos pré-fixados.

"Por outro lado, o resultado operacional, considerando o combinado de todas as empresas do conglomerado, apresentou crescimento de 0,5%, concentrado nos segmentos de seguros de vida, habitacional e rural, previdência e resseguros", observa a BB Seguridade.

O volume total de prêmios emitidos de seguros, contribuições de previdência e arrecadação com títulos de capitalização alcançou R$ 29,0 bilhões na primeira metade do ano, diminuição de 10,8% sobre igual período do ano passado.

A BB Seguridade encerrou junho com R$ 10,256 bilhões em ativos totais, cifra 6,5% maior em um ano. Na comparação com os três meses anteriores, foi vista elevação de 10,3%.

O patrimônio líquido da BB Seguridade somou R$ 8,683 bilhões de abril a junho, aumento de 8,7% em relação ao mesmo período do ano passado. Já na comparação com o trimestre anterior, foi identificada queda de 6,5%.

O retorno anualizado sobre o patrimônio líquido médio da BB Seguridade foi a 44,5% ao final de junho, queda de 10,7 pontos porcentuais em relação ao segundo trimestre de 2016.

Mais conteúdo sobre:
Banco do Brasilinflação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.