Lucro da Ericsson decepciona e Nokia anuncia prejuízo

A Ericsson, a maior fabricante de equipamentos de rede do mundo, reportou um alta do lucro no segundo trimestre abaixo do esperado, afetada por custos de reestruturação e valorização da coroa sueca em relação ao dólar que neutralizaram em parte os efeitos do aumento das vendas. Já a Nokia, a maior fabricante de celulares do mundo em volume, anunciou prejuízo no período, mas afirmou que tem uma estratégia clara para lidar com as preocupações sobre sua competitividade e que estava obtendo um progresso melhor do que o esperado em direção a suas metas de longo prazo.

CLARISSA MANGUEIRA, Agencia Estado

21 de julho de 2011 | 09h11

Às 8h45 (de Brasília), as ações da Ericsson cediam 8,32%, enquanto as da Nokia subiam 3,43%.

O lucro da Ericsson avançou 66% no segundo trimestre, para 3,12 bilhões de coroas suecas (US$ 484 milhões), de 1,88 bilhão de coroas suecas no mesmo período do ano passado, abaixo das previsões do analistas de um lucro de 4,22 bilhões de coroas suecas. A margem bruta da companhia recuou para 37,8% no segundo trimestre, de 39% no mesmo período do ano passado, ante previsões de 37,9%.

As vendas líquidas da Ericsson subiram 14%, para 54,77 bilhões de coroas suecas, de 47,97 bilhões de coroas suecas, um pouco abaixo das projeções do analistas. Ajustadas pelo câmbio e cobertura de riscos futuros, as vendas subiram 27%, em bases anuais, afirmou a empresa.

A Nokia registrou um prejuízo líquido de 368 milhões de euros, ou 0,10 de euros, no segundo trimestre, em comparação com o lucro de 0,06 de euros no mesmo período do ano passado. A margem operacional da companhia para dispositivos e serviços recuou para -4,5% no segundo trimestre, de 9,5% no mesmo período do ano anterior, e de 9,7% no primeiro trimestre.

A empresa reportou um prejuízo operacional de 487 milhões de euros, à medida que as vendas recuaram 7%, para 9,28 bilhões de euros. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
lucroprejuízoEricssonNokia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.