Lucro da Perdigão cai 18,7% no 1o tri, para R$51 milhões

A Perdigão registrou lucro líquido de51 milhões de reais no primeiro trimestre de 2008, queda de18,7 por cento na comparação com o mesmo período em 2007,informou a empresa nesta quinta-feira. "A boa performance obtida nos mercados não foi suficientepara amenizar o aperto de margens resultante do aumento decustos e despesas", disse a Perdigão em um comunicado àComissão de Valores Mobiliários (CVM). Segundo a empresa, as principais matérias-primas (grãos)continuaram sendo impactadas pela conjuntura internacional,"com preço em disparada" na bolsa de Chicago, que acabainterferindo no mercado local. Além disso, a companhia afirmou que sofreu com maiorespreços de captação de leite, "devido aos reflexos de menordisponibilidade versus demanda mundial acelerada pelos produtosderivados". Já a receita operacional líquida atingiu 2,5 bilhões dereais, 61,6 por cento maior do que o primeiro trimestre do anoanterior, devido ao incremento de 76,1 por cento nas vendasregistradas no mercado interno, que representaram 55,9 porcento da receita líquida, e do aumento de 46,4 por cento dasvendas para o mercado externo, correspondendo a 44,1 por centodo resultado. "Tivemos uma alteração na participação relativa em nossacomposição da receita líquida em relação ao primeiro trimestrede 2007 pela inclusão dos negócios da Eleva e da Plusfood",afirmou a companhia. A empresa lembrou que a participação dos produtosprocessados de carnes perderam espaço na receita, de 31,5 porcento para 23,5 por cento, devido ao grande volume de produtosde lácteos incorporados ao mix com os novos ativos. O resultado operacional demonstrado pelo EBITDA (lucrooperacional antes das despesas financeiras, impostos edepreciação) foi de 186,4 milhões de reais, aumento de 10,7 porcento em relação ao primeiro trimestre do ano passado. NOVO PRESIDENTE O presidente da Perdigão, Nildemar Secches, informou nestaquinta-feira que o atual diretor-geral José Antonio Fay vaisubstituí-lo no cargo a partir de 30 de outubro. O nome doexecutivo já foi aprovado pelo Conselho de Administração daempresa. Em comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários(CVM), a empresa diz que Fay "está participando ativamente daelaboração do novo plano estratégico da Perdigão até 2015 e, apartir de outubro, estará à frente deste processo". "A sucessão não significa alteração de rota. A Perdigão vaimanter sua meta de expansão global... ", afirmou Secches nocomunicado da Perdigão. Secches é diretor-presidente da Perdigão desde 1995 eajudou a empresa a passar por uma reestruturação societária eadministrativa. De acordo com a companhia, nos últimos 13 anoso seu valor de mercado se multiplicou mais de 32 vezes,passando de 248 milhões de reais para 8,2 bilhões de reais. Fay, de 54 anos, é engenheiro mecânico, pós-graduado emsistemas industriais pela Universidade Federal do Rio deJaneiro. Foi diretor comercial e de marketing da Electrolux doBrasil, diretor da Divisão de Produtos de Consumo da Bunge eocupou cargos em outras companhias, como a estatal Petrobras,informou a Perdigão. (Reportagem de Roberto Samora e Maurício Savarese)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.