Lucro da Potash sobe mais de 100% com demanda forte e preços altos

Empresa de fertilizantes registrou aumento de 65% nas vendas e quase triplicou as margens brutas

Filipe Domingues, da Agência Estado,

27 de janeiro de 2011 | 14h37

O lucro da companhia canadense Potash Corp of Saskatchewan, maior produtora mundial de fertilizantes de potássio, mais do que dobrou no quarto trimestre de 2010. A empresa registrou aumento de 65% nas vendas e quase triplicou as margens brutas. Os principais estímulos para o resultado foram a crescente demanda por fertilizantes e a alta dos preços na agricultura. O consumo de alimentos se fortaleceu em países como a China, enquanto a oferta global é apertada, beneficiando a indústria de fertilizantes.

A Potash lucrou US$ 482 milhões no quarto trimestre, ou US$ 1,61 por ação, mais do que os US$ 239 milhões, ou 79 cents por ação, obtidos no mesmo período do ano anterior. As despesas com aquisições de outras empresas reduziram o lucro no último trimestre em 16 cents por ação. A Potash previa lucrar de US$ 1,42 a US$ 1,66, enquanto analistas consultados pela Thomson Reuters estimavam, em média, lucro de US$ 1,65 por ação. As vendas saltaram de US$ 1,10 bilhão para US$ 1,81 bilhão no trimestre, superando amplamente a expectativa dos analistas, que estimavam US$ 1,63 bilhão.

A margem bruta da Potash no período totalizou US$ 763 milhões, ante US$ 272,7 milhões um ano antes, diante da forte demanda e do aumento de preços dos nutrientes de potássio, fosfato e nitrogênio.

"Nossa indústria passou por um importante ponto de inflexão no terceiro trimestre e, conforme os produtores do mundo se tornaram mais ativos na fertilização do solo, demonstramos nossa habilidade para atendê-los num ambiente de mercado fortalecido", afirmou o presidente e executivo-chefe da Potash, Bill Doyle, em nota à imprensa.

As ações da Potash vêm subindo desde que a mineradora anglo-australiana BHP Billiton tentou comprá-la, em novembro, quando o governo canadense barrou a oferta hostil de US$ 38,6 bilhões. Ontem, as ações da Potash fecharam a US$ 168,62 na bolsa de Nova York (Nyse), em alta de 3,5%, bastante acima dos US$ 130 oferecidos pela BHP naquela ocasião.

Em 18 de janeiro, as ações da Potash alcançaram a máxima em 52 semanas de US$ 174,31, diante da forte demanda global e da alta dos preços de fertilizantes. Há pouco, operavam a US$ 171,41, com elevação de 1,65%. Na noite de ontem, a Potash anunciou planos de mais do que dobrar os dividendos trimestrais e instituir um desdobramento de ações na razão de três para uma atualmente existente, pagável por meio de dividendos.

Perspectivas para 2011

A Potash prevê que a demanda por fertilizantes continuará forte e elevou sua previsão de lucro para algo entre US$ 8,40 e US$ 9,60 por ação, antes do desdobramento. Em sua avaliação anterior, projetava lucro de US$ 8,0 a US$ 8,75 por ação em 2011. Analistas consultados pela Thomson Reuters estimam o lucro da Potash em US$ 8,90 no ano.

No primeiro trimestre de 2011, a companhia espera lucrar de US$ 2,10 a US$ 2,70 por ação, pré-desdobramento, ou de 70 a 90 cents por ação depois que o desdobramento de ações de três para uma entrar em vigor. A margem bruta da canadense é estimada entre US$ 2,5 bilhões e US$ 2,8 bilhões em 2011, com exportações recorde de potássio somando de 9,5 a 10 milhões de toneladas.

A meta para as despesas de capital da Potash em 2011 atualmente é de US$ 2 bilhões, sendo US$ 1,4 bilhão destinados aos projetos de expansão já em andamento. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Potashfertilizanteslucro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.