Nacho Doce|Reuters
Nacho Doce|Reuters

Lucro da Telefônica sobe 10%, para R$ 1,098 bi no 1º trimestre

Resultado da dona da marca Vivo teve crescimento de 10,2% em relação ao mesmo período do ano passado; de acordo com o vice-presidente da companhia, Oi é concorrente relevante no mercado

Circe Bonatelli, O Estado de S.Paulo

25 Abril 2018 | 08h34
Atualizado 25 Abril 2018 | 14h01

A Telefônica Brasil, dona da marca Vivo, apresentou lucro líquido contábil de R$ 1,098 bilhão no primeiro trimestre de 2018, um crescimento de 10,2% em relação ao mesmo período do ano passado.

+ Anatel pode não fechar acordo com Telefônica

Os dados fazem parte do balanço publicado pela empresa. Os resultados contábeis já consideram os efeitos da adoção da norma IFRS 15, referente à nova metodologia de alocação de receitas de contratos com clientes.

+ Telefônica Vivo tem lucro líquido de R$ 4,608 bilhões em 2017, alta de 12,8% ante 2016

O Ebitda (lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização) contábil atingiu 3,514 bilhões, um avanço de 8,0% na mesma base de comparação. A margem Ebitda subiu 2,0 pontos porcentuais, para 35,2%.

A receita líquida contábil totalizou R$ 10,789 bilhões, expansão de 1,9%.

A Telefônica Brasil também divulgou seus números pro forma, isto é, sem considerar os efeitos da norma IFRS 15, tornando os resultados comparáveis com os números já reportados um ano atrás.

+ Rivais criticam acordo entre Telefônica e Anatel que troca multa por investimento

Na base pro forma, a companhia teve lucro líquido de R$ 1,079 bilhão no primeiro trimestre de 2018, alta de 8,3% em relação ao mesmo período de 2017.

O Ebitda pro forma atingiu R$ 3,765 bilhões, aumento de 7,2%, enquanto a margem Ebitda cresceu 1,8 ponto porcentual, para 35,0%. A receita líquida pro forma totalizou R$ 10,759 bilhões, crescimento de 1,6%. 

Competição. O vice-presidente executivo da Telefônica Brasil, Christian Gebara, afirmou que considera a Oi um concorrente significativo no mercado de telecomunicações, especialmente após o avanço do processo de recuperação judicial da companhia. "A Oi é um competidor relevante no mercado", afirmou.

A declaração foi feita durante teleconferência com investidores e analistas após questionamentos se a concorrência no setor deveria crescer devido ao avanço da recuperação judicial da Oi e à tendência de ampliação de investimentos da concorrente.

A Oi prevê expandir os investimentos anuais de R$ 5,5 bilhões para R$ 7,0 bilhões. Por sua vez, a Telefônica projeta aportes anuais na ordem de R$ 8 bilhões para o próximo triênio.

Gebara lembrou que a Oi tem uma grande rede de atendimento no segmento de negócios fixos (banda larga, TV paga e telefonia fixa) além de uma presença significativa no segmento de telefonia móvel pré-paga. No momento, porém, falta visibilidade sobre os efeitos de uma potencial elevação dos investimentos da concorrente.

Durante a teleconferência, Gebara reforçou que vê sinais positivos da recuperação no segmento de negócios corporativos, muito afetado pela crise nos trimestres anteriores.

"O B2B é um setor muito alinhado à recuperação macroeconômica. E estaremos aptos a capturar parte dessa recuperação. Estamos positivos sobre as tendências", afirmou, ponderando que ainda vê a melhora de economia de forma branda.

A receita de dados corporativos e TI subiu 0,6% no primeiro trimestre, para R$ 588,5 milhões, sinalizando uma tendência positiva para o segmento.

Outro destaque foi o avanço de 22,5% do faturamento com ultra banda larga. Gebara observou que apenas cerca de 10% dos 5,5 mil municípios do País têm oferta de internet de alta velocidade.

"Vemos como uma grande oportunidade de crescimento. A baixa oferta nesse setor abre espaço para a entrada de vários tipos de empresas", disse, acrescentando que vê espaço para ganhar participação nesse mercado.

Mais conteúdo sobre:
Telefonica Vivo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.