Lucro da Vale despenca 55,8% por câmbio e preços mais baixos

O lucro da gigante Valedespencou 55,8 por cento no primeiro trimestre deste ano contraigual período de 2007, para 2,25 bilhões de reais, pelas regrascontábeis brasileiras, enfraquecido pela valorização do real epor preços médios mais baixos do níquel e do alumínio. Pelas normas contábeis norte-americanas, a companhia obtevelucro de 2,02 bilhões de dólares, contra os 2,2 bilhões dedólares registrados no primeiro trimestre de 2007, uma queda de8,8 por cento. Analistas consultados pela Reuters esperavam, emmédia, um lucro em US GAAP estável em relação a 2007. A empresa, no entanto, bateu recorde de vendas de minériode ferro, com 74,645 milhões de toneladas, alta de 14,2 porcento em relação ao primeiro trimestre de 2007. Os embarques dealumínio também foram recordes, em 136 mil toneladas, informoua companhia em um comunicado na quinta-feira. A receita da empresa foi 12,5 por cento menor do que averificada de janeiro a março de 2007, somando 14,569 bilhõesde reais. "A apreciação do real frente ao dólar americano contribuiupara uma redução de 1,840 bilhão de reais frente ao 1T07, avariação no preço dos metais gerou impacto negativo de 793milhões de reais", justificou a empresa, ressaltando que oaumento do volume vendido representou em 553 milhões de reaisem receitas. A China permaneceu como principal destino das vendas daVale, representando 16,7 por cento da receita, seguida peloBrasil, com 16,2 por cento; Japão, com 10,5 por cento; EstadosUnidos com 10,5 por cento; Alemanha com 6,5 por cento e Canadácom 5 por cento. O lucro antes de impostos, juros, amortizações edepreciações, conhecido pela sigla em inglês Ebitda, foi de 6,6bilhões de reais, queda de 25,7 por cento em relação aoresultado do ano passado, de 8,9 bilhões de reais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.