Lucro da Vale recua quase 60% no 2º tri e soma US$ 2,6 bi

Preço mais baixo do minério de ferro foi o grande responsável pela queda no resultado; variação cambial também prejudicou a mineradora

Fernanda Guimarães e Monica Ciarelli, da Agência Estado,

25 de julho de 2012 | 18h14

Texto atualizado às 19h35

SÃO PAULO - O lucro líquido da Vale no segundo trimestre do ano atingiu US$ 2,662 bilhões, uma queda de 58,7% em relação a igual período do ano passado. Já ao Ebitda ajustado(lucros antes de juros, impostos, amortização e depreciação) ficou em US$ 5,119 bilhões no período, um recuo de 43,6%, na mesma comparação.  

A receita operacional no intervalo entre abril e junho somou US$ 12,15 bilhões, queda de 20,8% na relação anual. Apesar da mudança do modelo contábil para IFRS, o mercado continua acompanhando o resultado da mineradora pelo US GAAP.

O preço mais baixo do minério de ferro no segundo trimestre do ano foi o grande responsável pelo recuo do resultado da companhia. Entre abril e junho deste ano o preço do minério no mercado à vista (spot) na China foi menor do que o registrado em igual período de 2011.

A Vale trabalhou com um preço médio para o minério de ferro de US$ 103,29 por tonelada. O valor é 28,9% menor do que o praticado no mesmo período do ano passado e 5,5% inferior ao registrado nos primeiros três meses de 2012. Já o preço médio da pelota foi de US$ 159 por tonelada, sendo 22,84% inferior ao apurado no igual período de 2011 e 2% menor do que no trimestre anterior.

A Vale também explicou que a variação monetária e cambial durante o segundo trimestre do ano reduziu o lucro da mineradora em US$ 1,693 bilhão. De acordo com a empresa, esse foi o efeito contábil não caixa mais importante e ocorreu por conta da forte apreciação do dólar americano em relação ao real no intervalo de abril a junho.

Por outro lado, a companhia conseguiu recuperar os seus níveis normais de produção entre abril e junho. Nos três primeiros meses do ano a empresa foi afetada pelo forte período de chuvas que atingiu as suas principais operações. A produção de minério de ferro da Vale no segundo trimestre do ano atingiu 80,542 milhões de toneladas, uma recuperação de 15,1% em relação ao intervalo entre janeiro e março deste ano. De acordo com a Vale, a produção de abril a junho foi recorde para um segundo trimestre.

Dívida cresce 90%

A dívida líquida da Vale avançou 90,8% em relação a igual período de 2011, para US$ 21,436 bilhões. Em relação ao trimestre imediatamente anterior, a dívida líquida cresceu 7,1%. Já a dívida bruta da empresa ficou em US$ 25,518 bilhões, aumento de 4,3% em relação a igual período do ano anterior e alta de 2,3% em relação aos três primeiros meses do ano.

A mineradora explicou que a sua alavancagem, medida pela relação dívida total/Ebitda ajustado cresceu para 0,94 vez em 30 de junho deste ano, ante 0,80 vez em 31 de março.

Padrão IFRS

O lucro líquido da Vale no segundo trimestre, no padrão IFRS, somou R$ 5,314 bilhões, queda de 48,3% em relação a igual período de 2011. Ante o trimestre imediatamente anterior o recuo foi de 20,9%.

A geração de caixa medido pelo Ebitda (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) foi de R$ 10,095 bilhões no período, queda de 30,3% na comparação anual de aumento de 14,8% na trimestral.

Já a receita operacional foi de R$ 23,910 bilhões no intervalo, queda de 2,3% em relação ao segundo trimestre de 2011 e aumento de 19% ante o primeiro trimestre.

Tudo o que sabemos sobre:
Valebalançominério de ferro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.