Lucro da Vale sobe em dólar mas cai 21,7% em real

Embarques recordes de minério deferro, aliados ao aumento do preço do seu principal produto,garantiram à Vale o seu melhor resultado da história no segundotrimestre do ano pelas normas contábeis norte-americanas(USGAAP), mas não evitaram queda no lucro pelos padrõesbrasileiros. De abril a junho, a maior produtora de minério de ferro domundo lucrou 5,009 bilhões de dólares em USGAAP, alta de 22,3por cento em relação ao mesmo trimestre do ano passado,enquanto pelas normas brasileiras (BRGAAP) o lucro caiu para4,573 bilhões de reais, ante 5,842 bilhões de reais há um ano,queda de 21,7 por cento. "O resultado não operacional foi o principal contribuintepara a redução verificada no lucro (em reais) do trimestre nacomparação com o mesmo período do ano anterior", informou aVale em comunicado nesta quarta-feira. Além de impactos cambiais negativos de 1,425 bilhão dereais no segundo trimestre deste ano, as participaçõessocietárias da Vale pesaram negativamente nos números daempresa, com perda de 944 milhões de reais. Mesmo assim, a receita bruta da empresa, tanto em dólarcomo em reais foi recorde no segundo trimestre, de 10,9 bilhõesde dólares e 18,884 bilhões de reais, respectivamente. De acordo com a Vale, o aumento da receita se deve aoajuste no preço do minério de ferro, da ordem de 65 a 71 porcento, obtido junto aos clientes para os contratos deste ano,aliado a maiores vendas. A empresa teve embarques recordes do seu principal produtono segundo trimestre, de 78,858 milhões de toneladas métricas,crescimento de 7,9 por cento em relação ao segundo trimestre de2007. Já o níquel, segundo produto da companhia após a compra dacanadense Inco, registrou queda de receita nos dois balançosdevido a preços menores. Em reais, a receita caiu pela metade,de 6,3 bilhões de reais para 3,2 bilhões de reais, enquanto emdólar caiu de 3,196 bilhões de dólares para 1,870 bilhão dedólares em um ano. "Os movimentos distintos nos preços do minério de ferro(alta) e do níquel (baixa) exerceram influência relevante nadeterminação da composição da receita por produto e por destinono 2T08", informou a Vale em nota. A companhia informou que o peso dos minerais não ferrososna receita passou de 51 por cento para 31,9 por cento em umano, e a contribuição dos minerais ferrosos tornou-se maisimportante, evoluindo de 41,1 por cento para 59,5 na mesmacomparação. As vendas para a China, principal destino do minério deferro e pelotas da Vale, elevaram-se para 24,301 milhões detoneladas métricas do produto, respondendo por 30,9 por centodo volume vendido. As vendas no Brasil, segundo principaldestino, responderam por 15,7 por cento da receita, no Japão10,7 por cento, na Alemanha 6,7 por cento e na Coréia do Sul5,2 por cento. O lucro antes de impostos, juros, amortizações edepreciações, conhecido pela sigla em inglês Ebitda, foi de 6,2bilhões de dólares no segundo trimestre, alta de 23 por centoem relação ao resultado do mesmo período do ano passado, de5,057 bilhões de dólares. Em reais, a Ebitda ficou praticamente estável, em 10,5bilhões de reais contra 10,3 bilhões de reais há um ano. PRODUÇÃO A produção de minério de ferro da Vale atingiu 78,05milhões de toneladas no segundo trimestre deste ano, segundo asnormas contábeis brasileiras, crescimento de 3,3 por cento emrelação ao mesmo período de 2007. No primeiro trimestre do ano, a produção da maiormineradora de ferro do mundo foi de 74,48 milhões de toneladas. A Vale produziu 152,53 milhões de toneladas de minério deferro no primeiro semestre, contra 142,89 milhões de toneladasnos primeiros seis meses de 2007. A produção de níquel da Vale, que foi recorde no trimestre,atingiu 69 milhões de toneladas, contra 63 milhões no mesmoperíodo do ano passado e ante 61 milhões de toneladas nosprimeiros três meses do ano. A Vale é a segunda maior produtorade níquel do mundo. (Com reportagem adicional de Roberto Samora)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.