Lucro do Bradesco sobe 9,8% no 1º trimestre, para R$ 2,147 bilhões

Carteira de crédito da instituição fechou o período em R$ 235,238 bilhões, evolução de 10,4% em relação a março de 2009

Agência Estado,

28 de abril de 2010 | 07h37

O Bradesco anunciou lucro líquido ajustado de R$ 2,147 bilhões no primeiro trimestre de 2010, alta de 9,8% em relação ao ganho ajustado do mesmo período de 2009. O lucro por ação ficou em R$ 2,27. Já a rentabilidade sobre o patrimônio líquido médio (ROAE) foi de 22,2%, abaixo dos 24,1% dos três primeiros meses do ano passado.

 

Do resultado alcançado pelo banco no primeiro trimestre de 2010, R$ 1,444 bilhão (ou 67%) veio das atividades financeiras do banco. Os 33% restantes vieram das atividades de seguro, previdência e capitalização.

 

Descontando eventos extraordinários relacionados a efeitos fiscais, que somaram R$ 44 milhões, o lucro líquido contábil do Bradesco foi de R$ 2,103 bilhões, alta de 22,05%.

 

O patrimônio líquido do banco fechou março em R$ 43,087 bilhões, expansão de 22% em 12 meses. Os ativos totais do Bradesco cresceram 10,5% no mesmo período, para R$ 532,626 bilhões.

 

A carteira de crédito total, incluindo avais e fianças, encerrou o trimestre em R$ 235,238 bilhões, evolução de 10,4% em relação a março de 2009 e de 3,1% na comparação com dezembro passado. As operações para pessoas físicas somaram R$ 86,012 bilhões, alta de 16,7% ante o primeiro trimestre do ano passado.

 

Já os empréstimos para pessoas jurídicas encerraram o período em R$ 149,226 bilhões, crescimento de 7,7% na mesma base de comparação.

 

Empréstimos para pessoas físicas impulsionam crédito

 

Os empréstimos para pessoas físicas foram o destaque de crescimento da carteira de crédito do Bradesco no trimestre. Na comparação anual, o crédito para esse segmento cresceu 16,7%, frente a 10,4% de evolução da carteira total. Ante o trimestre anterior, a expansão foi de 4,8% na pessoa física e de 3,1% no total.

 

Já o crédito para pessoa jurídica cresceu em ritmo menor. Na comparação anual, a expansão foi de 14,5% considerando micro, pequenas e médias empresas e de 1,7% para grandes companhias. Já ante os três últimos meses de 2009, o crescimento foi de 4,2% e 0,7%, respectivamente. Considerando a carteira de empresas total, a expansão foi de 2,2% (ante o quarto trimestre de 2009) e 7,1% em 12 meses.

 

Na pessoa física, as carteiras de crédito consignado e cartão de crédito foram os destaques de crescimento. A maior carteira de crédito do Bradesco de pessoa física é a de veículos, com volume de R$ 20,609 bilhões. O segmento cresceu 10,1% frente ao trimestre anterior e 5,5% em 12 meses. Já o crédito imobiliário subiu 21,6% em um ano e 5,2% no trimestre.

 

Na pessoa jurídica, um dos destaques foi a queda de 42,4% no financiamento a exportação em 12 meses. Mesmo na comparação com o trimestre anterior, essa linha de crédito continua em queda, com recuo de 8,4%.

 

Índice de Basileia

 

O índice de Basileia - que mede a adequação de capital do banco - chegou a 16,8% em março de 2010, alta em relação aos 16% do primeiro trimestre do ano passado.

 

Texto atualizado às 8h50

 

(com Altamiro Silva Júnior, da Agência Estado)

Tudo o que sabemos sobre:
Bradescolucro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.