Lucro do Itaú Unibanco sobe 15,5% em 2013, para R$ 15,7 bilhões

No 4º trimestre, lucro alcançou R$ 4,6 bilhões, resultado 33% superior ao de 2012

Aline Bronzati, da Agência Estado,

04 de fevereiro de 2014 | 07h57

O Itaú Unibanco anunciou, nesta terça-feira, 4, lucro líquido de R$ 4,646 bilhões no quarto trimestre de 2013, cifra 33% superior ao mesmo período de 2012, de R$ 3,492 bilhões. Em relação ao terceiro trimestre houve alta de 16,3%. No ano passado, o resultado ficou em R$ 15,696 bilhões, montante que representa aumento de 15,5% em relação ao lucro de 2012. 

A carteira de crédito total do Itaú Unibanco, que inclui avais e fianças encerrou dezembro com saldo de R$ 483,397 bilhões, 5,9% maior que a cifra registrada em setembro, de R$ 456,561 bilhões. Na comparação anual, quando a carteira estava em R$ 426,595 bilhões, foi identificada expansão de 13,3%. Em ativos totais, o Itaú Unibanco alcançou R$ 1,105 trilhão nos últimos três meses de 2013, crescimento de 8,99% em relação ao mesmo período de 2012, de R$ 1,014 trilhão. Ante o terceiro trimestre, o crescimento foi de 2,11%.

O patrimônio líquido do Itaú Unibanco foi a R$ 81,024 bilhões ao final de dezembro, alta de 9,2% em um ano e de 3,53% ante setembro. O retorno sobre o patrimônio líquido médio atualizado (ROE) ficou em 23,7% no quarto trimestre de 2013, alta de 5,3 ponto porcentual na comparação com um ano, de 18,4%. Ante os três meses imediatamente anteriores, o indicador apresentou expansão de 2,9 p.p.


A Agência Estado considera que o resultado está em linha com as projeções quando a variação para cima ou para baixo é de até 5%.

Resultado recorrente. O Itaú Unibanco anunciou também lucro líquido recorrente de R$ 4,680 bilhões no quarto trimestre de 2013, aumento de 33,6% ante igual intervalo do ano passado, de R$ 3,502 bilhões. Em relação ao terceiro trimestre, este resultado foi 16,4% maior. Em 2013, o lucro líquido recorrente do Itaú ficou em R$ 15,836 bilhões, cifra 12,8% superior à registrada em 2012, de R$ 14,043 bilhões.

O lucro líquido recorrente superou a projeção de analistas do mercado ao alcançar R$ 4,680 bilhões no período, 33,6% maior que o registrado em 12 meses. A média de oito casas (BofA Merrill Lynch, BTG, Credit Suisse, Deutsche Bank, GBM, HSBC, Safra e UBS) consultadas pelo Broadcast projetava lucro líquido recorrente de R$ 4,34 bilhões para o banco. O resultado foi 7,8% superior ao previsto por analistas. O Broadcast considera que o resultado está em linha com as projeções quando a variação para cima ou para baixo é de até 5%.

Dentre os eventos não recorrentes no quarto trimestre de 2013 ante um ano, o Itaú cita, em relatório que acompanha suas demonstrações contábeis, pagamento de tributos federais, provisão para contingências, efeito da mudança no critério de reconhecimento do investimento no IRB Brasil Resseguros, impacto da decisão favorável sobre a discussão da legalidade da incidência de Cofins para a Porto Seguro e outros.

Inadimplência. A inadimplência do Itaú Unibanco, considerando os atrasos superiores a 90 dias, diminuiu de 3,9% em setembro para 3,7% em dezembro, em linha com a projeção de analistas que esperavam continuidade na melhora da qualidade dos ativos da instituição. Esta é o sexto declínio consecutivo trimestral do indicador. Em um ano, os calotes diminuíram em 1,10 ponto porcentual.

"Esse indicador atingiu o menor valor desde a fusão entre o Itaú e o Unibanco, influenciado principalmente pela mudança do perfil de crédito da nossa carteira", destaca a instituição, em relatório que acompanha as suas demonstrações financeiras.

Segundo o Itaú, a melhora do índice de inadimplência foi possível graças às reduções em pessoas físicas e jurídicas. Na pessoa física, os calotes tiveram melhora de 0,2 e 1,1 ponto porcentual quando comparados com o trimestre anterior e com o mesmo período do ano anterior, respectivamente, para 5,8%. Já na pessoa jurídica, a inadimplência do Itaú diminuiu 0,3 e 1,2 p.p. em relação ao período anterior e ao quarto trimestre de 2012, nesta ordem, para 2,0% ao final de dezembro.

As despesas com provisões para devedores duvidosos, as chamadas PDDs, do Itaú somaram R$ 4,191 bilhões no quarto trimestre de 2013, recuo de 7,6% ante o terceiro trimestre. No ano de 2013, esses gastos foram a R$ 18,579 bilhões, cifra 23,3% menor que a registrada em 2012.

Tudo o que sabemos sobre:
Itaú Unibancobalanço

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.