Lucro do ThyssenKrupp vem em linha,investimento no Brasil pesa

O conglomerado industrial alemãoThyssenKrupp anunciou que seu lucro foi impactado pelo aumentono custo de matéria-prima e por problemas para o início dasoperações de uma grande siderúrgica no Brasil, a CompanhiaSiderúrgica do Atlântico (CSA), o que fez suas ações caíremnesta quarta-feira, apesar do balanço trimestral ter vindo emlinha com as expectativas do mercado. O lucro antes de impostos subiu 30 por cento, para 742milhões de euros (1,15 bilhão de dólares) nos três meses findosem março, contra expectativa de 749 milhões de euros, segundopesquisa feita pela Reuters com 13 analistas. A maior produtora de aço da Alemanha manteve suasprojeções. "Vemos riscos crescentes nos lucros do segmento de aço eaço inoxidável, bem como na crescente quantia de investimentopara o Brasil", afirmou o analista do UniCredit, ChristianObst. O ThyssenKrupp está apostando alto em um superciclo daindústria alimentado pela forte demanda dos mercadosemergentes, como a China. O grupo planeja investiraproximadamente metade de seu programa de investimento de 18bilhões de euros em sua divisão de aço plano carbono, comoutros 2 bilhões em sua unidade inoxidável. Diferentemente de Lakshmi Mittal, o bilionáriopresidente-executivo da ArcelorMittal, o presidente-executivodo ThyssenKrupp, Ekkehard Schulz, evita aquisições, preferindomontar uma usina de placas no Brasil e uma unidade de açoinoxidável e carbono no Alabama, com produção planejada decerca de 5 milhões de toneladas ao ano. A indústria de aço é altamente cíclica, particularmentepara aço inoxidável, e analistas frequentemente se focam nocrescimento trimestre a trimestre para melhor interpretar astendências. PROBLEMAS NO BRASIL Citando uma variedade de problemas, o ThyssenKrupp adiou oinício da produção da CSA em cerca de quatro a seis meses, parao terceiro trimestre de 2009, e elevou o orçamento deinvestimento para o projeto de 3 bilhões para entre 3,5 e 3,7bilhões de euros. "Os atrasos que ocorreram com os altos fornos edepartamento de fundição não podem ser completamenterecuperados", afirmou a empresa em relatório trimestral. A produtora de aço culpou as pesadas e prolongadas chuvasno último trimestre, valorização do real, aumentos de preços egargalos para entrega de equipamentos. (Reportagem de Christiaan Hetzner)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.