Ueslei Marcelino/Reuters
Ueslei Marcelino/Reuters

Lucro da JBS sobe 151,4% e chega a R$ 5,14 bilhões no 1º trimestre

Companhia de alimentos, no entanto, apontou desafios no mercado brasileiro, apesar do avanço de 21% nas receitas da marca Seara

Sandy Oliveira, O Estado de S.Paulo

11 de maio de 2022 | 20h19

A gigante dos alimentos JBS encerrou o primeiro trimestre de 2022 com lucro líquido de R$ 5,14 bilhões, uma alta de 151,4% em relação ao mesmo período do ano passado, informou a empresa nesta quarta-feira, 11. A receita líquida foi recorde e chegou a R$ 90,9 bilhões, um aumento de 20,8% na mesma comparação.

A operação brasileira da JBS apresentou aumento nas margens de lucros, apesar da redução de 5% no número de bovinos processados no período, em razão das suspensões temporárias de algumas fábricas brasileiras para exportar para a China. Em receita, contudo, houve crescimento de 24,2%, para R$ 14,3 bilhões. 

Em relação à marca brasileira Seara, a companhia ressaltou em comunicado que os custos de produção permaneceram desafiadores, em especial o do farelo de soja e do milho usados para alimentar os animais. "Estes aumentos vêm sendo parcialmente mitigados graças ao aumento de preços de venda, bem como um melhor mix de mercados, canais e produtos", afirma a companhia.

No primeiro trimestre do ano, a Seara teve receita líquida 21% maior do que em igual período do ano anterior, para R$ 9,49 bilhões. A companhia atribui o resultado a um aumento de 6,3% no volume vendido e de 13,8% no preço médio de venda. As vendas no mercado interno, que responderam por 48% da receita da unidade, totalizaram R$ 4,6 bilhões, aumento de 17% ante igual período de 2021.

A JBS disse que o mercado doméstico o cenário macroeconômico continua bastante desafiador, pressionando o consumo de carne bovina. "A companhia seguiu sua estratégia de impulsionar o portfólio de valor agregado e trabalhar as marcas junto aos consumidores", aponta a empresa, no comunicado.

Tudo o que sabemos sobre:
JBSagronegócio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.