Lucro líquido da BRF sobe 73% no terceiro trimestre

No acumulado do ano até setembro, o lucro líquido da companhia somou R$ 1,246 bilhão, incremento de 181%, quando comparado aos R$ 444 milhões em igual intervalo de 2010

Suzana Inhesta, da Agência Estado,

27 de outubro de 2011 | 19h05

A BRF Brasil Foods registrou lucro líquido de R$ 365 milhões no terceiro trimestre do ano, alta de 73% ante os R$ 211 milhões registrados no mesmo período de 2010. A receita líquida cresceu 10%, para R$ 6,292 bilhões, ante R$ 5,702 bilhões de julho a setembro de 2010.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortizações) atingiu R$ 723 milhões no terceiro trimestre, alta de 17% ante os R$ 617 milhões apurados no mesmo período do ano passado. A margem Ebitda registrou avanço de 0,7 ponto porcentual, para 11,5%.

No acumulado do ano até setembro, o lucro líquido da companhia somou R$ 1,246 bilhão, incremento de 181%, quando comparado aos R$ 444 milhões em igual intervalo de 2010. A receita líquida aumentou 14%, passando de R$ 18,687 bilhões.

O Ebitda do período totalizou R$ 2,325 bilhões de janeiro a setembro, alta de 39%. A margem Ebitda ficou em 12,5% ante 10,3% do mesmo período de 2010. Segundo a companhia, os bons resultados foram proporcionados pelo desempenho operacional, especialmente nos negócios de carne e reforçado pela captura de sinergias.

A empresa explica também que o resultado superou o cenário desafiante de câmbio e os custos elevados das principais matérias-primas, que pressionaram as margens do trimestre.

No terceiro trimestre, os investimentos somaram R$ 252,6 milhões, divididos em 61,4% para projetos de produtividade, melhorias e automação e 32,6% a novos projetos.

Mercado Interno

A receita com vendas no mercado interno da BRF totalizou R$ 3,824 bilhões no mesmo período. O resultado foi 14% maior do que a cifra de R$ 3,364 bilhões obtida nos meses de julho a setembro de 2010.

Já as exportações da companhia somaram R$ 2,468 bilhões, aumento de 6%, com relação aos R$ 2,338 bilhões comercializados no exterior no terceiro trimestre de 2010. O desempenho dos mercados do extremo Oriente, Europa, Oriente Médio e Américas amenizaram as perdas geradas pelo embargo russo a alguns frigoríficos brasileiros. Na maior parte do trimestre, o câmbio afetou a competitividade dos produtos vendidos no exterior.

No acumulado do ano até setembro, a receita com comercialização de produtos no mercado doméstico foi de R$ 11,116 bilhões, alta de 17% ante os R$ 9,509 bilhões do mesmo intervalo do ano passado. As exportações do período somaram R$ 7,491 bilhões, aumento de 11% de janeiro a setembro de 2010.

Sinergias

Segundo o vice-presidente de Financeiro e de Relações com Investidores da BRF Brasil Foods, Leopoldo Saboya, a empresa revisou o guidance dos ganhos de sinergia com a fusão com a Sadia, aprovada, com restrições, pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) em 13 de julho. Antes, o guidance era de uma captura de R$ 500 milhões anuais, que seria conseguidos integralmente a partir de 2012. "Agora, a empresa tem o objetivo de capturar sinergias líquidas antes dos impostos de R$ 1 bilhão por ano entre 2012 e 2013 e estabilizar nesse patamar desse período em diante", explicou o executivo, em coletiva de imprensa com jornalistas.

Segundo ele, para alcançar esse valor, a BRF vai precisar aportar, no total, R$ 700 milhões em investimentos que serão feitos entre 2011 a 2013. "Antes, a gente não tinha todas as informações da Sadia. Após a aprovação da fusão, tivemos acesso a novas informações e vimos oportunidades de outros ganhos", ressaltou Saboya, que informou que os recursos serão destinados em melhorias, sem contar aquisições.

(Texto atualizado às 21h21 com mais informações)

Tudo o que sabemos sobre:
BRFbalançolucro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.