Lucro líquido da Repsol YPF aumenta 11% no 2º trimestre

Alta dos preços do petróleo compensou as perdas com variação cambial

Carlos Mercuri, Agência Estado

31 de julho de 2008 | 08h05

A companhia petrolífera hispano-argentina Repsol YPF SA anunciou aumento de 11% no lucro líquido do segundo trimestre, já que a alta dos preços do petróleo compensou as perdas com variação cambial. O lucro líquido subiu para 905 milhões de euros (US$ 1,412 bilhão), de 818 milhões de euros em igual período do ano passado. O valor inclui estoques de petróleo e gás e está em linha com os 901 milhões de euros que analistas da Dow Jones previam. Às 7h10 ( de Brasília), as ações da Repsol subiam 1,29% na Bolsa de Madri.   O lucro líquido ajustado - que também inclui os estoques, mas exclui as participações minoritárias e itens não-recorrentes - subiu para 907 milhões de euros (US$ 1,416 bilhão) no período, de 799 milhões de euros um ano antes.   Os ganhos foram impulsionados por alta de 77% nos lucros com exploração e produção no segundo trimestre, o qual foi beneficiado por um aumento de 91% no preço do petróleo WTI no período para uma média de US$ 123,80 o barril. Os preços de venda do gás natural da Repsol elevaram-se 37%. O Ebitda aumentou 10% para 2,5 bilhões de euros (US$ 3,9 bilhões), enquanto o lucro líquido operacional subiu 19%, para 16,73 bilhões de euros (US$ 26,12 bilhões).   A alta nos preços dos produtos compensou uma queda na produção. A produção do núcleo de petróleo e gás da companhia caiu 14%, para 336 mil barris de petróleo equivalente por dia no segundo trimestre, enquanto a produção na unidade argentina YPF diminuiu 12%, para 592 mil barris de petróleo equivalente por dia.   A Repsol também apontou significativas perdas da depreciação do dólar ante euro. A produção de hidrocarbonetos da companhia é realizada fora da zona do euro, a maioria na América Latina. A taxa de câmbio efetivamente diminuiu os ganhos em exploração e produção em 115 milhões de euros (US$ 179 milhões); os lucros em refino e transporte em 60 milhões de euros (US$ 93,6 milhões) e os da YPF em 51 milhões de euros (US$ 79,6 milhões). Além disso, as atividades de refino e transporte foram prejudicas por uma greve de caminhoneiros na Espanha e pela redução da demanda global, que juntos contribuíram para uma queda de 8,9% no volume de vendas de produtos de petróleo e gás.   Os lucros operacionais de refino e transportes, no entanto, subiram 1,6%, para 643 milhões de euros (US$ 1 bilhão), basicamente devido à melhoria das margens de refino na Espanha.   Observadores do mercado, no entanto, estão se concentrando no sucesso das atividades de exploração da Repsol em águas profundas no Brasil, onde reservas gigantes foram encontradas. No segundo trimestre, a companhia, junto com a Petrobras e o BG Group, anunciaram o encontro da bacia de Guará, no bloco BM-S-9, na Bacia de Santos, em uma promissora área pré-sal. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
repsollucros

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.