Lucros da Shell e da BP saltam com preço recorde do petróleo

As gigantes petrolíferas Royal DutchShell e BP superaram expectativas ao divulgarem nestaterça-feira grandes aumentos no lucro do primeiro trimestre. As ações de ambas as companhias disparavam mais de 5 porcento, com investidores apostando que o petróleo a 100 dólareso barril terá um efeito melhor do que o esperado. A Shell, segunda maior petrolífera não-estatal do mundo emvalor de mercado, informou que o lucro líquido, excluído deganhos não realizados com mudanças nos valores de inventários,subiu 12 por cento, para um recorde de 7,8 bilhões de dólares. Enquanto isso, a terceira maior do setor, a BP, teve lucrosob mesmas bases 48 por cento maior, para 6,6 bilhões dedólares. "Isso abre os olhos dos investidores, mostra o querealmente significa um preço alto de commodities em termos delucros do setor petrolífero", disse Paul Andriessen, analistado Fortis Bank em Amsterdã. O aumento significativo dos lucros aconteceu apesar daprodução das companhias ter ficado estável. Andriessen previu que os resultados desta terça-feira podemlevar a uma reclassificação das ações do setor. "Isso é umgatilho", disse o analista. Outros especialistas do setor disseram que no curto prazo,os resultados da Shell e da BP devem melhorar expectativassobre as próximas divulgações de resultados que acontece napróxima semana e que incluem Exxon Mobil, Chevron, BG Group eTotal . "O cenário parece continuar forte no segundo trimestre, comos preços do petróleo a 107 dólares o barril em média e aperspectiva de melhorias em classificações no setor", disseJames Neale, analista de petróleo do Citigroup, em nota. Quase todas as unidades de negócios da Shell e da BPtiveram bons desempenhos, mesmo divisões como refino que sãopressionadas a repassar os preços mais altos do petróleo aosclientes. As margens de refino caíram no trimestre, mas o impactosobre o lucro das companhias não foi tão ruim quanto esperado,parcialmente por causa de margens firmes em venda decombustível e lubrificantes no varejo e em vendas decombustível para aviação. O mercado esperava que a BP sofresse prejuízo na divisão derefino e comercialização, mas acabou obtendo lucro de 1,2bilhão de dólares. (Reportagem adicional de Catherine Hornby em Amsterdã) REUTERS AAJ DL

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.