Lula inaugura nova sede da Embrapa em Campinas (SP)

A unidade custou cerca de R$ 2 milhões e a transferência para o prédio vai proporcionar novos projetos em agroenergia

Gustavo Porto, AE

18 de fevereiro de 2008 | 15h14

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai inaugurar, no próximo dia 4 de março, a nova sede da Embrapa Monitoramento por Satélite, em Campinas (SP). A unidade custou cerca de R$ 2 milhões e a transferência para um prédio mais amplo vai proporcionar o desenvolvimento de novos projetos em agroenergia.

De acordo com o chefe-geral da unidade, Evaristo Eduardo de Miranda, entre as novidades está um sistema de monitoramento de toda a infra-estrutura de agroenergia do País. "Com o sistema, o interessado poderá consultar e ver os problemas de logística conforme o local que o interessa. Pode saber, por exemplo, quantas usinas de açúcar e álcool o País possui, quais fazem co-geração de energia elétrica, entre outras informações", explicou Miranda.

Além disso, a Embrapa Monitoramento por Satélite pretende ainda ampliar a capacitação de prefeituras para o gerenciamento territorial dos municípios, projeto que já foi feito em cidades paulistas como Holambra e Jaguariúna, mas deve ser ampliado para Campinas e Araras. "Com mais espaço, queremos ter um centro de treinamento de gestão que é utilizado também em entidades parceiras, como Abag e Abiove", disse Miranda.

O centro já cuida da gestão territorial da agricultura, monitora a dinâmica geográfica das culturas, da pecuária e das florestas no território nacional. O local acompanha e mapeia a infra-estrutura agrícola e a expansão da agroenergia, além de colaborar com empresas privadas, cadeias do agronegócio e órgãos públicos no planejamento e governança territorial.

As novas instalações da Embrapa Monitoramento por Satélite têm 6,5 mil metros quadrados e foram construídas em um terreno cedido pelo Exército. A nova sede vai ampliar e melhorar a capacidade operacional da unidade. Atualmente, a sede dispõe de um espaço alugado na cidade paulista de apenas de 1 mil metros quadrados, na qual já funcionam dois laboratórios e uma mapoteca. O quadro técnico atual é formado por 48 funcionários, sendo 13 pesquisadores com doutorado e quatro com mestrado. De acordo com a Embrapa, com as novas instalações, será possível ampliar a equipe e sua atuação.

Tudo o que sabemos sobre:
EmbrapaLulaagroenergia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.