Divulgação
Divulgação

Magazine Luiza começa a vender livros online

Varejista vai oferecer 240 mil títulos em seu site; meta é chegar a cidades sem livrarias e incentivar uso de app

Reuters

24 de abril de 2019 | 04h00

O Magazine Luiza anunciou ontem que vai entrar no mercado online de venda de livros físicos, com oferta própria de 240 mil títulos que podem ser retirados nas lojas da rede de varejo, dentro de um plano da empresa de ampliar o uso de seu aplicativo.

A companhia, que deve chegar ao final deste ano com mais de 1 mil pontos de vendas, afirma ter lojas em 329 cidades do Brasil que não têm livrarias. Segundo a companhia, apenas 10% das cidades do Brasil têm pontos de venda físicos para compra de livros.

“É um mercado em crescimento e vamos aproveitar esta oportunidade vendendo livros com entrega rápida e frete grátis”, disse, em comunicado, o diretor executivo de comércio eletrônico do Magazine Luiza, Eduardo Galanternick. “O objetivo é fazer com que o Magalu se torne referência neste segmento”, acrescentou.

O lançamento desse serviço fez com que as ações da empresa subissem 2,27% ontem na bolsa de valores, a B3, em São Paulo, encerrando o pregão cotadas a R$ 171.

O anúncio da companhia ocorre em meio a dificuldades de concorrentes tradicionais no segmento de livros. No ano passado, as redes Saraiva, maior livraria do País, e Livraria Cultura pediram recuperação judicial.

Questionado sobre isso, Galanternick afirmou que a companhia já estudava entrar na categoria de livros há algum tempo e que estava esperando “entrar nesse mercado em algum momento”.

“Há um número muito pequeno de livrarias, que infelizmente está diminuindo. O varejo tem dificuldade de sustentar frete grátis por livros serem produtos de preço muito baixo... Nas nossas conversas com as editoras, vimos que há demanda reprimida para livros, em função da má distribuição”, disse o executivo.

Perguntado se a empresa pretende oferecer em seus canais online venda de livros digitais, o executivo disse que a estratégia primária do Magazine Luiza na categoria é atuar na distribuição de livros impressos.

Potencial

A média de leitura do brasileiro é de 2,43 livros por ano, segundo dados da pesquisa Retratos da Leitura, de 2016, feita pelo instituto Pró Livro.

“Tivemos, também, o cuidado de desenvolver uma embalagem especial para nossos livros, que será de material reciclável”, afirma o diretor executivo de comércio eletrônico da rede varejista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.