Divulgação
Divulgação

Magazine Luiza confirma preço da ação em R$ 65 em oferta subsequente

O conselho de administração da rede varejista também aprovou o efetivo aumento do capital social em R$ 1,144 bi e a homologação da emissão de 24 milhões de ações ordinárias

Marcelle Gutierrez e Dayanne Sousa, Broadcast

28 Setembro 2017 | 08h51

O Magazine Luiza confirmou que o preço das ações foi fixado em R$ 65 na oferta subsequente, conforme antecipou o Estadão/Broadcast ontem. Neste preço, segundo fontes, a demanda superou em duas vezes a oferta.

Os papéis encerraram o pregão de quarta-feira, 27, a R$ 68,05.

Segundo o fato relevante da empresa, enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), os acionistas da oferta prioritária não participaram do procedimento de bookbuilding e não haverá procedimento de estabilização dos preços.

O conselho de administração da varejista também aprovou o efetivo aumento do capital social em R$ 1,144 bilhão e a homologação da emissão de 24 milhões ações ordinárias. Na distribuição primária serão 17,600 milhões de papéis e na secundária 6,400 milhões de titularidade de Luiza Helena Trajano Inácio Rodrigues, Onofre de Paula Trajano,Fabrício Bittar Garcia, Flávia Bittar Garcia Faleiros e Franco Bittar Garcia.

O novo capital social será de R$ 1,770 bilhão, dividido em 190.591.464 ações. As ações começam a ser negociadas na B3 na sexta-feira (29).

+ Sob gestão de herdeiro, valor de mercado do Magazine Luiza tem forte crescimento

O coordenador líder da oferta é o Bank Of America Merrill Lynch e outros coordenadores são o BTG Pactual, JPMorgan, Itaú BBA, Credit Suisse, BB Investimentos, Bradesco BBI e Santander.

Os recursos obtidos serão destinados para investimentos em ativos de longo prazo, como expansão da malha logística, tecnologia e desenvolvimento da plataforma digital, transformação das lojas existentes em pontos de venda e centros de distribuição, inauguração de lojas novas, e aquisição de empresas de tecnologia com atuação no segmento digital. Os valores também serão usados para otimização da estrutura de capital, incluindo pagamento de dívidas de curto prazo. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.