MAN investira R$ 1 bilhão para dobrar fábrica em Rezende, diz Pimentel

Segundo o ministro, expansão dobrará capacidade de produção da unidade para cerca de 140 mil unidades por ano, em 2014  

Eduardo Rodrigues, da Agência Estado,

21 de outubro de 2011 | 16h48

A MAN Latin America, braço da Volkswagen para a produção de caminhões leves, confirmou nesta sexta-feira, 21, investimentos de mais de R$ 1 bilhão para a ampliação de sua fábrica em Resende, no Rio de Janeiro. Após encontro de executivos da companhia com a presidente Dilma Rousseff, o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, afirmou que a expansão da planta dobrará sua capacidade de produção, das atuais 70 mil unidades por ano para cerca de 140 mil em 2014.

Segundo estimativa da MAN, o contingente atual de 7 mil funcionários deve ser reforçado em 50% nesse período. "O investimento consolida a região de Resende como o segundo maior polo automobilístico do País. Nos últimos 20 dias houve um anúncio da Nissan-Renault na cidade e na semana que vem a Peugeot deve anunciar investimentos na região", acrescentou Pimentel.

Para o ministro, os sucessivos anúncios de investimentos no setor automobilístico demonstram que a política industrial do governo está no caminho correto. "A presidente Dilma está preocupada com a crise internacional, mas economia brasileira dá sinais de uma vitalidade muito grande", completou.

De acordo com Pimentel, a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) em suspender o aumento imediato do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) de automóveis com menos de 65% de conteúdo local não era esperada pelo governo, mas será cumprida. "A decisão adia um pouco a entrada em vigor do imposto, mas o objetivo de trazer investimentos para o País está sendo alcançado", argumentou o ministro.

Já o ministro de Ciência e Tecnologia, Aloízio Mercadante, avaliou que o investimento da MAN é uma prova que a exigência de um porcentual significativo de conteúdo local na fabricação de veículos é "razoável". Segundo ele, o governo estuda a possibilidade de instalar um escola técnica voltada para o setor na região.

O presidente da MAN, Antonio Roberto Cotes, destacou que a companhia pretende colocar ainda mais componentes nacionais nos veículos, além de desenvolver novas tecnologias principalmente para a criação de veículos híbridos. "Vamos desenvolver uma nova geração de veículos", concluiu.

Tudo o que sabemos sobre:
maninvestimentorezendefábricabrasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.