Jefferson Almeida/ Grupo Marfrig
Jefferson Almeida/ Grupo Marfrig

Após acerto com Previ, Marfrig põe seu fundador no comando do conselho da BRF

Além de Marcos Molina, colegiado terá Sergio Rial (ex-presidente do Santander) como vice-presidente; chapa foi eleita após acordo com fundo de pensão Previ, do BB

Fernanda Guimarães, O Estado de S.Paulo

28 de março de 2022 | 17h30

A Marfrig elegeu na tarde desta segunda-feira, 28, a chapa que propôs para o conselho de administração da BRF. Principal acionista da dona da Sadia e Perdigão, com uma participação de 33%, a empresa elegeu o seu fundador, Marcos Molina, como o presidente do colegiado. O atual presidente do conselho do Santander Brasil, Sergio Rial, foi eleito como o vice-presidente do grupo.

A eleição ocorreu após uma costura entre Molina e o fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil (Previ) ao longo do fim de semana. Após um período de negociação, a chapa da Marfrig incorporou o nome do ex-diretor do Banco Central Aldo Mendes como o representante da fundação no grupo. A Previ possui fatia de 5,26% na companhia e é sócia da gigante dos alimentos desde 1990.

Completam o novo conselho da BRF a esposa de Marcos Molina, Márcia Marçal dos Santos; Eduardo Pocetti, que é do conselho fiscal da Marfrig; Altamir Batista da Silva, ex- JP Morgan; Pedro de Camargo Neto, ex-presidente da Abipecs, a associação de exportadores de carne suína; e Deborah Vieitas, presidente da Amcham.

‘Olhar de dono’

Há anos sem um controlador definido, a eleição do conselho por uma chapa indicada pela Marfrig mostra que a companhia poderá ser uma empresa com “olhar de dono”, segundo analistas de mercado.

Antes do avanço da Marfrig sobre a BRF via compras na Bolsa de Valores, as empresas chegaram a anunciar um acordo para juntar suas operações, em 2019. Na época, BRF e Marfrig concordaram em um prazo de 90 dias para uma combinação que criaria uma gigante global com mais de cem fábricas. No entanto, as empresas anunciaram conjuntamente a desistência do negócio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.