Marfrig deve comprar Quickfood e mais 3 frigoríficos no Mercosul

O Marfrig, um dos principais gruposde carne bovina do Brasil, anunciou nesta segunda-feira umacordo inicial para a aquisição de 70,51 por cento das ações daempresa argentina Quickfood, além de outras três unidades naregião do Mercosul. Em comunicado ao mercado, a companhia brasileira informouque tem a intenção de adquirir a totalidade das ações dosEstabelecimentos Colônia, empresa uruguaia controlada pelomesmo grupo do Quickfood. O acordo ainda está sujeito aosprocedimentos normais de negociação, como auditorias. A empresa comunicou ainda ter firmado, por meio dasubsidiária argentina, a Argentina Breeders & Packers (AB&P),cartas de intenções para eventual aquisição da totalidade dasações da Best Beef (Vivoratá), unidade localizada em Vivoratá,na província de Buenos Aires, e para a compra das Estâncias delSur (EDSA), localizadas em Córdoba. "O valor total acordado para as eventuais aquisições é de266,8 milhões de dólares, a ser ajustado de acordo com osresultados das auditorias", informou o Marfrig. CAPACIDADE O Quickfood, listado na bolsa de Buenos Aires desde 2002, élíder na produção de alimentos derivados de carne bovina naArgentina. As principais atividades da empresa incluem o abate,produção, processamento e exportação do produto. O Marfrig confirmou a intenção de comprar o Quickfooddepois de a empresa argentina ter reportado à bolsa local terrecebido uma oferta de compra. Conforme informou a Reuters naquinta-feira, o Marfrig havia sido citado como possívelcomprador. O Quickfood produz cortes congelados de alta qualidade edetém a marca de hambúrgueres Paty, com 60 por cento do mercadona Argentina. A empresa opera fábricas com capacidade total deabate de 1.400 cabeças ao dia. Já o Colônia, maior exportador de carne uruguaia, temcapacidade de abate de 1.200 cabeças ao dia. O EDSA, outra empresa que recebeu oferta do Marfrig, podeabater diariamente mil cabeças. As ações do Marfrig tinham alta de 1,78 por cento por voltadas 11h30, cotadas a 19,44 por cento. O Ibovespa operava embaixa de 0,54 por cento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.