Marubeni nega ter assinado acordo com Petrobras para refinaria

A trading japonesa Marubeni Corp afirmou no final da quinta-feira que pode apoiar a construção de refinaria de 20 bilhões de dólares em parceria com a Petrobras, mas negou informação de que iria bancar todo o projeto.

REUTERS

13 de março de 2009 | 09h54

Um jornal brasileiro citou o ministro das Minas e Energia, Edison Lobão, afirmando que a Marubeni estava perto de financiar toda construção da refinaria de 20 bilhões de dólares em parceria com a Petrobras.

A Marubeni concordou em buscar maneiras de assegurar parte dos recursos para a construção da unidade com capacidade para refinar 600 mil barris por dia, mas informou que o financiamento total do projeto não é possível.

"Nenhuma carta de intenção foi assinada e o senso comum afirma que a Marubeni não teria capacidade para todo o orçamento em qualquer cenário", afirmou porta-voz da trading, que pediu para não ter seu nome publicado, citando política da empresa.

Lobão foi citado pelo jornal brasileiro afirmando que espera que a construção comece no final deste ano.

A refinaria, como é planejada, teria capacidade para processar cerca de um quarto da produção diária de petróleo do Brasil.

A Petrobras disse que não iria comentar o assunto e um assessor do ministro Lobão confirmou à Reuters que a Marubeni estava interessada no projeto, mas não deu detalhes.

"É uma proposta firme", afirmou Lobão segundo o jornal Valor Econômico na quinta-feira, acrescentando que representantes do Japão visitaram a Petrobras e assinaram uma carta de intenção.

"Até agora concordamos apenas em discutir possibilidades", disse o porta-voz da Marubeni.

O grupo japonês receberia derivados de petróleo produzidos pela refinaria como forma de pagamento da Petrobras por sua participação no investimento, afirmou Lobão segundo o Valor.

(Por Denise Luna no Rio de Janeiro, Reese Ewing em São Paulo e Mayumi Negishi em Tóquio)

Tudo o que sabemos sobre:
ENERGIAMARUBENIREFINARI*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.