Jonathan Bainbridge/Reuters
Jonathan Bainbridge/Reuters

Cartão Mastercard será aceito em pagamento no transporte público

São Paulo, Rio e Curitiba serão as primeiras cidades com linhas de ônibus e trem com a funcionalidade; objetivo da empresa é expandir sistema para as principais capitais do País em 2017

O Estado de S.Paulo

12 de outubro de 2016 | 18h48

Usuários do transporte público de algumas cidades do País poderão utilizar cartões de crédito, débito e pré-pago Mastercard para fazer o pagamento da tarifa diretamente na catraca.  

A companhia americana, em parceria com empresas de bilhetagem e operadoras de transporte, lançou essa semana um projeto piloto que permitirá a funcionalidade aos clientes que possuem um cartão próprio para pagamento por aproximação. Cartões registrados em carteiras digitais de celulares também poderão ser utilizados para realizar o pagamento.

A primeira fase do projeto avaliará, durante o mês de outubro, a tecnologia dos equipamentos validadores e os processos de pagamento em São Paulo (na linha Diadema/Berrini - Metra) e no Rio de Janeiro - Central do Brasil (na linha Vermelha e nas principais estações da linha Deodoro). Em Curitiba, o piloto está previsto para novembro nos ônibus da região metropolitana.  

A expectativa da empresa é concluir até dezembro de 2017 os estudos e a habilitação da funcionalidade para ônibus, trem e metrô nas principais capitais do País. "O objetivo é contribuir para que as cidades se tornem mais eficientes e sustentáveis e, com isso, permitir que a vida seja mais inclusiva, segura e conveniente para seus habitantes", diz, em nota, Alexandre Brito, vice-presidente de Desenvolvimento de Aceitação, Varejo e Novos Negócios da Mastercard Brasil e Cone Sul.  

Segundo estudos da companhia, a arrecadação aproximada deste mercado é de R$ 80 bilhões por ano. Deste total, estima-se que o uso de dinheiro físico represente uma fatia de 30%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.