Matérias-primas e saúde levantam Wall Street

Resultados encorajadores de companhias do setor de saúde e matérias-primas ditaram uma alta nas ações do mercado norte-americano na terça-feira, mas a queda no lucro do Goldman Sachs limitou os ganhos em um mercado cético com as previsões de crescimento.

RYAN VLASTELICA, REUTERS

20 de abril de 2011 | 15h01

O índice Dow Jones, referência da bolsa de Nova York, avançou 0,53 por cento, para 12.266 pontos. O termômetro de tecnologia Nasdaq subiu 0,35 por cento, para 2.744 pontos. O índice Standard & Poor's 500 teve valorização de 0,57 por cento, para 1.312 pontos.

Investidores estiveram relutantes em fazer grandes apostas enquanto o mercado se preparava para vários importantes resultados de empresas. O volume foi extremamente baixo, com 6,56 bilhões de ações negociadas na New York Stock Exchange, na American Stock Exchange e na Nasdaq, abaixo da média diária do ano passado, de 8,47 bilhões.

A Johnson & Johnson foi uma das primeiras ações a registrar alta após anunciar seus resultados, subindo 3,7 por cento, para 62,69 dólares, após elevar sua previsão de lucro.

O Goldman Sachs Group Inc ofuscou ao cair 1,2 por cento, para 151,89 dólares por ação, após registrar uma forte queda no lucro. O banco de investimento alertou haver menos oportunidades para se fazer dinheiro no atual ambiente.

"A menos que o desempenho das ações do setor financeiro e de tecnologia melhore, então eu acho que o mercado possa estar no caminho de uma correção", disse Marshall Front, do Front Barnett Associates, em Chicago.

Tudo o que sabemos sobre:
WALLSTFECHAATUA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.