Mato Grosso deve ter recorde de produtividade de soja

As chuvas favoreceram as lavouras desoja do principal produtor brasileiro, e a ferrugem asiáticanão está pressionando a safra do Mato Grosso como em anosanteriores. Assim, a conclusão de especialistas e agricultoresnão poderia ser outra: produtividade média recorde no Estado em2007/08. "A perspectiva de que a média (estimada) de produtividadepasse de 50 para 52 sacas (60 kg) por hectare é real, aslavouras estão boas, a soja tardia está com boa formação devagem", afirmou o agrônomo Rafael Gregolin Abe, da empresa deassistência técnica privada Impar, um dos integrantes do Rallyda Safra, que percorre as principais regiões produtoras doEstado há dez dias. O agrônomo André Debastiani, da Agroconsult, consultoriaque organiza o rali e cujo objetivo é realizar um levantamentonacional da produção brasileira, concorda com seu colega,acrescentando uma nova informação. "Vai ser recorde este ano", respondeu Debastiani ao serquestionado pela Reuters, comparando o número com um históricode dados da consultoria. O número considerado pelos agrônomos, que ainda precisa serconsolidado pela equipe do rali, que continua no Estado até opróximo sábado, é superior ao projetado pelo Ministério daAgricultura, de 50,5 sacas por hectares de média estadual. "Choveu bem e não teve ferrugem", destacou Abe, ementrevista após um jantar promovido pelo rali para agricultoresde Sorriso, o maior produtor brasileiro de soja, situado àsmargens da BR-163. A inexistência de ferrugem, é claro, é força de expressãode Abe, que lembrou, no entanto, que o fungo está muito menosdisseminado pelas lavouras mato-grossenses. "A baixa incidência de ferrugem ajudou o pessoal a não terperdas nas áreas precoces, os agricultores mantiveram ocontrole e não houve prejuízo, nos outros anos a ferrugemderrubou a produtividade", afirmou Abe. "As lavouras estão mantendo o nível até o final... Opessoal aprendeu a combater, e o vazio sanitário (proibição desoja irrigada no inverno) ajudou no controle", continuouDebastiani, observando que Primavera do Leste, que costumavaser um foco de dispersão da ferrugem para o Estado, registroupoucos casos. A ferrugem, que se desenvolve com mais facilidade na sojaem um clima úmido e quente, pode reduzir drasticamente aprodutividade se não for feito o tratamento adequado. Uma das poucas preocupações da safra deste ano, as chuvasna colheita, não representam um grande perigo, na opinião deDebastiani, "a não ser que sejam muito intensas". Cerca de 50 por cento da safra já foi colhida no Estado. EM SORRISO, ATÉ 57 SACAS "Este ano, se confirmar o clima favorável, poderemos colheruma média de 55 a 57 sacas por hectare, o que daria umaprodução de 33 milhões de sacas, contra 30 milhões no anopassado", disse o presidente do Sindicato Rural de Sorriso,Nelson Piccoli. Em 06/07, segundo ele, a produtividade média foi de 50sacas por hectare. De mesma forma que no Estado, a área plantada em Sorrisotambém cresceu, para os tradicionais 600 mil hectares, após tercaído na temporada passada para 580 mil hectares. O produtor rural no município há 24 anos Anir JoséTaparello afirmou que obteve nesta safra uma das melhoresprodutividades médias de sua história: 65 sacas por hectare."Alguns talhões chegaram a 74 sacas." (Edição de Camila Moreira) Keywords: COMMODS MT DOISFor Related News, Double Click on one of these codes:[SBC] [BRS] [BR] [GRA] [MEAL] [LIV] [OILS] [EMRG] [LATAM] [LEN][RTRS] Wednesday, 27 February 2008 11:17:51RTRS [nB95128] {EN}ENDS

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.