McDonald’s alerta para alta inflação de alimentos

Rede disse que custos maiores de carne, pão e outros alimentos reduziram suas margens trimestrais 

Reuters,

21 de abril de 2011 | 12h47

O McDonald's disse que os custos maiores de carne, pão e outros alimentos reduziram suas margens trimestrais, e que a inflação para o ano pode ser maior que a esperada.

Os comentários motivavam queda das ações da maior rede de lanchonetes do mundo na Bolsa de Valores de Nova York, embora o McDonald's tenha também reportado fortes vendas para o primeiro trimestre que ajudaram a empresa a ter lucro acima das expectativas.

"A questão central agora é como eles irão elevar os preços para tentar compensar alguns dos custos dos alimentos", disse o analista Jack Russo, da Edward Jones.

O McDonald's espera agora que os custos dos alimentos suba entre 4% e 4,5% nos Estados Unidos e na Europa em 2011. Em janeiro, a empresa previa inflação de 2% a 2,5% nos EUA e de 3,5% a 4,5% na Europa.

Resultados

No primeiro trimestre, a receita total do McDonald's cresceu 9%, para US$ 6,1 bilhões, com a Europa liderando a expansão.

As vendas em março nas lojas abertas há pelo menos 13 meses avançaram 3% nos EUA, 4,9% na Europa e 0,5% na região que inclui Ásia/Pacífico, Oriente Médio e África. Os números ficaram acima do previsto por analistas.

O lucro líquido no primeiro trimestre subiu 10,9%, para US$ 1,21 bilhão, ou 1,15 dólar por ação, contra US$ 1,09 bilhão, ou 1 dólar por ação, um ano antes.

Analistas previam, em média, lucro de 1,14 dólar por ação no período, segundo a Thomson Reuters I/B/E/S.

Mas a margem operacional caiu para 17,7%, de 18,2%, com custos de alimentos e de embalagens em alta.

Os custos com alimentos e embalagens representaram 33,6% da receita total no trimestre, comparado a 32,9% no mesmo período do ano passado.

Notícias relacionadas
Tudo o que sabemos sobre:
ALIMENTOSMCDONALDSRESULTS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.