Medida do BB mostra que governo não endureceu com ruralistas

BB prorrogou o prazo para pagamento da parcela de investimentos de programas com recursos oficiais

Fabíola Salvador, da Agência Estado,

13 de dezembro de 2007 | 20h39

Não se confirmou o temor de que o governo endureceria as negociações com parlamentares da bancada ruralista depois da derrota da prorrogação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF).   Veja também:   CPMF: da origem ao fim  Governo anuncia pacote pós-CPMF na semana que vem, afirma Mantega  Múcio diz que governo não insistirá mais na CPMF  Lula não cortará PAC nem gastos sociais, diz Bernardo Plano B pode ser aumentar IOF e cortar despesas Senado derruba CPMF. Dê sua opinião   Governo sai derrotado e Senado derruba prorrogação da CPMF   Numa reunião realizada nesta quinta-feira, 13, o Banco do Brasil (BB) aceitou prorrogar por mais 45 dias o prazo para pagamento da parcela de investimentos de programas com recursos oficiais - financiamentos de crédito rural contratados no amparo dos Fundos Constitucionais de Financiamento do Norte (FNO), Nordeste (FNE) e Centro-Oeste (FCO). As informações constam em nota distribuída pela assessoria de imprensa da Comissão de Agricultura da Câmara dos Deputados.   O prazo inicial venceria na segunda-feira, 17, conforme Resolução 3.500 do Conselho Monetário Nacional (CMN).   O compromisso foi assumido pelo vice-presidente de Agronegócios do BB, Luís Carlos Guedes Pinto, e pelo vice-presidente de Crédito, Controladoria e Risco Global, Adézio de Almeida Lima, entre os diretores, o presidente da Comissão de Agricultura da Câmara Federal, deputado Marcos Montes (DEM-MG) e os parlamentares Valdir Colatto (PMDB-SC), presidente da Frente Parlamentar da Agricultura, e Homero Pereira (PR-MT).   O acordo será consolidado na próxima reunião do Conselho Monetário Nacional (CMN), dia 20, com a publicação de uma nova resolução, ampliando o prazo para 31 de janeiro de 2008.

Tudo o que sabemos sobre:
CPMF

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.