Medo de recessão volta a assustar Wall Street

As bolsas de valores dos EstadosUnidos despencaram nesta quinta-feira, com o índice S&P 500atingindo o menor nível em 15 meses, depois que a reduçãorepentina da atividade industrial em uma região norte-americanae o grande prejuízo do Merrill tornaram o quadro econômicoainda mais nebuloso. O índice Dow Jones, referência da bolsa de Nova York,recuou 2,46 por cento, para 12.159 pontos. O termômetro detecnologia Nasdaq caiu 1,99 por cento, para 2.346 pontos. Oíndice Standard & Poor's 500 desabou 2,91 por cento, para 1.333pontos. O chairman do Federal Reserve, Ben Bernanke, ecoou aavaliação desanimadora sobre a economia em discurso aparlamentares, reiterando que o Fed está pronto para atuaragressivamente e dando apoio a outros esforços para conter orisco de uma recessão. Em um dos sinais mais fortes de que a economia enfrenta umsério risco de contração, o Fed de Filadélfia divulgou que aatividade industrial no Meio-Atlântico freou muito mais do queo esperado, para níveis que tipicamente apontam recessão. Isso eliminou a tentativa inicial de recuperação de WallStreet, com as ações de companhias mais expostas à atividadeeconômica sofrendo mais. As ações de empresas menores caírampara o território baixista, enquanto que a gigante GeneralElectric caiu quase 4 por cento antes da divulgação de seusresultados, na sexta-feira. As ações do setor financeiro foram abaladas pelas baixascontábeis de 16 bilhões de dólares e os ajustes do MerrillLynch no pior trimestre da história da companhia. As ações daempresa desabaram 10,2 por cento. "O medo e o pessimismo estão realmente começando a dominarWall Street", disse Eric Kuby, vice-presidente de investimentosda North Star Investment Management, em Chicago. "Outros dadosmostraram fraqueza da economia, e o Merrill Lynch teve umabaixa contábil de um tamanho que, até recentemente, pareceriaincompreensível."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.