Mercado aquecido dá brilho extra a leilões de bovinos em SP

O mercado aquecido de bovinos, aescassez de animais para abate e os preços altos verificadosatualmente dão um brilho extra aos leilões de animais eembriões em que a melhora genética é o maior objetivo dospecuaristas. Indiferentes à briga por preços, os animais adquirem statusde estrelas nas passarelas em que são observados para que sejamfeitos os lances, com direito a iluminação especial, música eaté chuva de papel picado. Foi esse o clima do leilão de embriões Brahman realizado naquarta-feira à noite na Feira Internacional da Cadeia Produtivada Carne (Feicorte), em São Paulo, num momento em quepecuaristas buscam bons materiais genéticos após um longoperíodo de intenso abate de matrizes motivado por preçosbaixos. Atualmente, a situação é completamente diferente, e oscriadores estão mais recuados nas vendas ao mesmo tempo em quea demanda está aquecida -- os preços da arroba do boi passaramde cerca de 57 reais há um ano para valores acima de 90 reaistanto no mercado à vista quanto no futuro. Ao mesmo tempo, os pecuaristas se mostram bastante atentosàs melhores oportunidades na Feicorte. Enquanto o leiloeirofalava das qualidades das vacas doadoras e de seus filhotes jánascidos, os lances por um animal que ainda nem nasceu pulavamde 100 em 100 reais. A arrecadação total do leilão com 21 lotes foi de 453,6 milreais, sendo que a estrela da noite foi Miss J4 Harmonia 201,cujo embrião foi arrematado por 83,2 mil reais. O aumento da arrecadação no leilão foi proporcional aocrescimento do valor da arroba. O mesmo leilão do ano passadoarrecadou 235,9 mil reais, com 20 lotes. "Essa feira, sendo em São Paulo, que é um grande centro denegócios, age como um termômetro. O mercado explodiu, a carnedobrou de preço, o mercado de embriões vai aquecer também. Otrabalho genético é para melhorar nosso gado comercial",explicou Pedro Fadel, produtor da Fazenda Brahman Conquista, doParaná. Neste ano a Feicorte terá 19 leilões (bovinos, equinos eovinos), contra 14 em 2007, e o espaço passou de 50 mil metrosquadrados de área coberta para 70 mil metros quadrados, umreflexo do aquecimento do mercado. No ano passado, os negócios gerados atingiram 10 milhões dereais, e a expectativa dos organizadores é de que esse valortenha um incremento de 15 a 20 por cento neste ano. Entretanto,há quem aposte em bem mais do que isso. "Do que jeito que o mercado está, calculo um aumento de 30a 40 por cento no faturamento. A briga por fêmeas vai ser maiorpor causa do mercado", afirmou José Eduardo Matuck, diretor daNova Leilões e que atua no setor há 27 anos. AVALIAÇÃO Os interesses em uma feira desse tipo variam muito. Nosleilões, podem ir de algo mais imediatista -- quando ocomprador adquire o próprio animal -- a investimentos a longoprazo, como é o caso dos embriões. O mais importante, entretanto, é a possibilidade de fazeruma avaliação, tanto do mercado quanto da posição do própriopecuarista. "Na feira, o primeiro objetivo é comparar seus animais comoutros, saber como está a concorrência. O segundo ponto é obalizamento do mercado, saber se está em alta ou baixa",explicou André Zambrim, diretor do grupo Brahman-Ima, do MatoGrosso. O fato de a Feicorte acontecer em São Paulo, segundo ele, éum bom indicador também, já que participam da feiraempresários, que são mais contidos do que os produtores natos. "Por ser em São Paulo, sabemos que é mais reservada emtermos de preços do que outras feiras, porque aqui residem maisempresários. Se aqui explodir, lá fora vai explodir muitomais", completou ele. Outro ponto importante é a quantidade de criadores que afrequentam -- quanto mais decidirem fazer longas viagens vindosde Estados como Mato Grosso ou Goiás, mais aquecido o mercadoestá. "Se vêm muitas pessoas para cá, é um bom sinal. Porque oscriadores não sairiam do interior, não trariam seus animais delonge, se não houvesse motivo", disse Zambrim.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.