Mercado de trabalho e crédito ajudaram varejo, diz IBGE

Segundo IBGE, emprego e crédito vêm aumentando, mesmo com a inadimplência alta 

Daniela Amorin, da Agência Estado,

13 de dezembro de 2012 | 11h36

RIO - O mercado de trabalho forte e o crédito em expansão têm sustentado os resultados favoráveis no varejo, segundo Reinaldo Pereira, gerente da Coordenação de Serviços e Comércio do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

"O emprego continua aumentando e tem estado estável. Isso é importante para o consumo. Além disso, mesmo com toda a inadimplência, o crédito vem aumentando, enquanto a taxa de juros vem diminuindo ao longo do tempo. Tudo isso tem sido favorável para o consumo", apontou Pereira.

As vendas no varejo restrito registraram alta de 0,8% em outubro ante o mês anterior, após uma expansão de 0,3% em setembro e de 0,2% em agosto. O aumento do ritmo de vendas pode ser consequência de uma antecipação das compras para o Natal. Segundo o gerente do IBGE, os consumidores não têm deixado mais para ir às lojas na última hora.

"Por causa do cartão de crédito e do próprio cartão das lojas, as pessoas não têm deixado as compras para a última hora não. As compras para o Natal ficam meio diluídas. Claro, as pessoas recebem o 13º salário em dezembro, mas parte já recebe em novembro e compra com cartão de crédito e cartão de loja", explicou ele.

Em outubro, favoreceram o resultado no varejo as atividades de hipermercados e supermercados (0,4%), móveis e eletrodomésticos (1,4%), equipamentos e materiais para escritório e informática (18,4%), livros e revistas (5,2%) e outros artigos de uso pessoal e doméstico (3,3%).

"A atividade de outros artigos de uso pessoal e doméstico está em terceiro lugar, porque dentro disso tem lojas de departamento, tem lojas de brinquedo. Então a atividade veio com uma variação forte", notou Pereira.

No caso do aumento expressivo na atividade de escritório e informática, houve reflexo de uma base de comparação mais fraca, já que a atividade teve queda de 10,6% na leitura anterior. Mas os preços de produtos na atividade estão em queda, o que favorece o consumo. Pereira também ressalta que pode ter havido em outubro alguma encomenda de atacado, o que pode ter influenciado o resultado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.